Hamilton tem atuação de gala na Hungria

Hamilton tem atuação de gala na Hungria

Lewis vence pela sexta vez em Hungaroring

O piloto inglês Lewis Hamilton venceu o GP da Hungria neste domingo e ampliou a vantagem para o segundo colocado na tabela de pontos do campeonato 2018. No pódio, ao lado dele, os dois pilotos da Ferrari: Sebastian Vettel foi o segundo e Kimi Raikkonen terminou na terceira colocação. Com o resultado, agora, a diferença entre os dois postulantes ao título ficou em 24 pontos.

– Os treinos

Hamilton conseguiu a pole position no sábado com uma volta voadora. Mais uma vez com puro talento, perícia e muita técnica, o inglês deu um verdadeiro show! Já a Ferrari não rendeu o esperado com os seus dois pilotos. Quem também ficou devendo foi a equipe Red Bull. Daniel Ricciardo foi atrapalhado por uma paralisação na pista e Max Verstappen não conseguiu fazer o bólido mostrar aquilo que se esperava para a briga pelas primeiras posições.

– A disputa pelo título

Para a prova a pista ficou completamente seca diferentemente do período final dos treinamentos. A tendência seria que tivéssemos um rendimento melhor dos carros da Ferrari mesmo com eles largando atrás das Mercedes. No entanto não foi o que aconteceu. A etapa, marcada pelo forte calor e pelas estratégias de paradas entre as principais equipes, apresentou um Hamilton tranquilo largando na ponta, fazendo um pit stop na volta 26 para colocar os pneus macios e levando o carro sem problemas até o fim. Sebastian Vettel, por sua vez, resolveu parar apenas no giro número 40 e não abriu vantagem suficiente para retornar na ponta. A equipe fez um pit stop lento e o piloto acabou perdendo espaço também para Valtteri Bottas. Já Hamilton, mesmo com pneus mais desgastados e com maior número de voltas no traçado, conseguiu administrar os compostos da Pirelli e segurou a liderança até a bandeirada. Mérito para o piloto inglês. É preciso destacar a qualidade e a eficiência de Lewis. Ele não tomou conhecimento dos adversários e demonstrou maturidade para guiar o carro dentro das limitações circunstanciais. Soube ser cerebral quando precisou e agressivo em outros momentos. Um piloto completo que busca o sonhado quinto título da temporada. Se Hamilton teve pista livre durante toda a prova, Sebastian Vettel passou muitas voltas atrás de Bottas. Sinal do quanto é difícil avançar no circuito húngaro e o quanto a atual aerodinâmica do carro dificulta as manobras mais arrojadas. No fim das contas e após as paradas de box o segundo piloto da Mercedes, que também sofreu com os pneus, não teve como escapar do ataque de Vettel. O alemão da Ferrari realizou linda manobra por fora na curva 2 e retardou a freada passando com autoridade pelo adversário, apesar do desespero de Bottas. Ele passou reto e acertou o alemão. Ainda assim o toque na traseira do carro italiano não foi o suficiente para comprometer a corrida de ambos que seguiram até o fim. Sebastian fez o possível após o infeliz abandono no GP da Alemanha e conquistou pontos importantes para o time. A próxima disputa será daqui a um mês em Spa, na Bélgica.

– Destaque positivo

A prova de Daniel Ricciardo foi excepcional. O australiano largou em décimo segundo no grid e fez uma prova de recuperação incrível. Ultrapassou os adversários um a um no melhor estilo “faca entre os dentes”. Ricciardo pilotou de forma agressiva para chegar na quarta posição e foi eleito pelos fãs como o competidor do dia. De quebra ainda assegurou a melhor volta do evento. Ricciardo demonstra o quanto evoluiu como profissional. Demonstrou equilíbrio e soube administrar ímpeto com segurança.

– Destaque negativo

Por outro lado, o finlandês Valtteri Bottas, apesar do excelente trabalho de escudeiro ao segurar os carros da Ferrari para ajudar Hamilton, perdeu completamente a cabeça no fim de prova e se envolveu em dois acidentes. Primeiro ao insistir na tomada da curva por dentro, lado a lado com Vettel, quando já não dava mais para manter o carro naquele ponto. Passou reto e bateu no alemão. Seguiu em frente mesmo com uma parte do carro danificada. Depois, como se já não bastasse a primeira lambança, Bottas jogou a direção em cima de Daniel Ricciardo na freada da curva 1. Resultado: foi punido com o acréscimo de 10 segundos no tempo de prova. Apesar das duas encrencas, o finlandês manteve o quinto posto na classificação. Para piorar, depois da prova, Valtteri reclamou das declarações do chefe de equipe, Toto Wolff, que o classificou como um “sensacional escudeiro”. O segundo competidor da Mercedes demonstrou insatisfação e disse ter ficado “machucado” com a declaração do homem forte do time. É compreensível que, caso a diferença de pontos entre ele e Hamilton seja grande e desfavorável, o finlandês precisará ajudar o companheiro na conquista da taça de campeão. O time agradece. Normal.

Por James Azevedo.

Vettel vence na Inglaterra

Vettel vence na Inglaterra

Piloto chega a 51 vitórias na F1 e se iguala a Alain Prost

Sebastian Vettel, da Ferrari, conseguiu uma impressionante e sensacional vitória neste domingo. Vettel venceu o GP da Inglaterra depois de sair da segunda colocação e ultrapassar o carro prateado de Valtteri Bottas no fim da corrida. Já Lewis Hamilton chegou em segundo após ter sido tocado por Raikkonen ainda na primeira volta. Vale lembrar que o piloto inglês, diante dos seus empolgados torcedores, largou na pole position, mas partiu muito mal e perdeu terreno para os adversários. A prova teve duas entradas do carro de segurança que ajudaram a Scuderia Italiana na estratégia montada. O alemão tetracampeão chegou ao fim da etapa com pneus novos e do composto mais macio, o que deu a ele um desempenho superior. Enquanto isto, os adversários diretos seguiram na pista com os pneus médios e mais desgastados.

Sobre a prova de Vettel, o alemão guiou firme e com consistência. Próximo ao encerramento do GP, após os períodos de bandeira amarela, a estratégia de pits da Ferrari o colocou novamente na briga pela vitória. Com Bottas sem pneus o alemão surpreendeu o piloto da Mercedes no fim da reta oposta em uma das ultrapassagens mais bonitas dos últimos anos. Vettel colocou o carro por dentro, freou no limite e não deixou escapar para a linha de fora no traçado. No momento em que Valtteri percebeu, Sebastian já havia ultrapassado e assim seguiu abrindo bastante na liderança! Manobra de campeão de Vettel. Ele se redimiu do erro na largada durante o GP da França. Vettel volta a liderar na tabela de pontos com um mísero ponto de vantagem para Hamilton, 146 a 145.

O cenário da disputa começou a ser desenhado de forma decisiva ainda no início da prova. Vettel assumiu a ponta muito bem e sem problemas, enquanto Hamilton largou mal e ainda foi empurrado para fora da pista pelo outro competidor da Ferrari. Lewis precisou fazer uma corrida de recuperação completa guiando no limite. E foi bem-sucedido. Escalou rapidamente o pelotão e fez o melhor resultado possível diante das circunstâncias. O fato de não se posicionar para a entrevista oficial antes do pódio é compreensível, afinal mesmo que seja multado por isto, é melhor evitar falar de cabeça quente. Atitude que demonstra o amadurecimento de Hamilton.

Raikkonen também foi agressivo e atuante durante a prova. Após tomar incríveis 10 segundos de punição (Vettel tomou apenas 5 pelo erro no GP da França) por tocar em Hamilton na largada, o finlandês ainda conseguiu o terceiro posto no pódio. Kimi ultrapassou Verstappen e Bottas com audácia e segurança e deu provas de que ainda merece mais um ano de contrato com a Ferrari para 2019. Ao que parece ele acordou para a temporada e embora possa ser tarde para isto a atitude dele dentro da pista vem sendo diferente do que os fãs estão acostumados nos últimos tempos.

A briga pelo título segue intensa em 2018. Ferrari e Mercedes ainda buscam soluções, mas evoluíram ao máximo do que podem nos aspectos de aerodinâmica no chassi e confiabilidade junto as unidades de potência. Atualmente tanto o time inglês quanto o italiano jogam, claro, nos erros dos adversários e aquele que souber aproveitar melhor será o grande campeão do ano. Tanto Vettel como Hamilton são tetracampeões, brigam pela quinta taça e sonham em igualar o feito do mito, Juan Manuel Fangio. A próxima etapa acontece no circuito de Hockenheim, na Alemanha, no dia 22 de julho. Um grande abraço, galera, e excelente semana a todos!

Por James Azevedo.

Vettel domina GP do Canadá

Vettel domina GP do Canadá

Alemão vence pela 50ª vez

O alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, partiu da pole position para a vitória neste domingo em Montreal, no Canadá, alcançando a terceira conquista nesta temporada. Valtteri Bottas, da Mercedes, chegou em segundo e Max Verstappen, da Red Bull, completou o pódio. Vettel assumiu a liderança pelo mundial de pilotos em 2018 e está com um ponto de vantagem para Lewis Hamilton acirrando ainda mais a disputa para a sequência do campeonato. Foi um fim de semana perfeito para Vettel. Com uma apresentação irretocável, o tetracampeão mundial chegou na vitória número 50 da carreira. Vale lembrar que Sebastian está a apenas um triunfo de alcançar o lendário piloto francês, Alain Prost. A primeira vitória da carreira do alemão foi em Monza, na Itália, em 2008, pela pequena equipe Toro Rosso. Foi uma disputa na chuva que serviu para mostrar todo o talento e audácia características que o acompanham até hoje em sua trajetória vitoriosa.

Aos 30 anos de idade (completa 31 no próximo dia três de julho), Vettel mostra o quanto amadureceu na principal categoria do esporte a motor. Se há alguns anos ele cedia fácil a pressões e reclamava demais pelo rádio do carro sobre movimentos de adversários na pista, agora ele está mais centrado e parece ter deixado as reclamações para trás. Sebastian demonstra que está focado no objetivo de levar a Scuderia Italiana de volta ao topo. A Ferrari não ganha um caneco desde de 2007 com Kimi Raikkonen. Apesar de alguns percalços neste ano como o de Baku, no Azerbaijão, Vettel mostra para os fãs que luta diretamente pela taça com Hamilton. Aliás, que resultado ruim alcançou Lewis. O inglês foi apenas o quinto colocado depois de largar na quarta posição. Hamilton demonstrou menos consistência de prova do que o próprio companheiro Bottas. Com isto perdeu a ponta na tabela de pontos. Por outro lado, o que não tem agradado aos aficionados na categoria é que as corridas têm oferecido poucos momentos memoráveis e marcantes. O regulamento técnico não favorece as ultrapassagens já que a aerodinâmica ainda é um problema sério a ser resolvido.

De volta a corrida, a disputa contou com raríssimos momentos de emoções. Poucas brigas no traçado e destaque apenas para duas oportunidades. Uma no início e depois outra já no final da prova. A primeira aconteceu logo após a largada, o canadense Lance Stroll, da Williams, e que corria na terra natal pelo segundo ano consecutivo, teve um pneu furado. Stroll perdeu o controle do carro. O bólido do novato saiu de traseira e acabou encostando e empurrando Brandon Hartley, da Toro Rosso, contra o muro. O choque foi inevitável. Hartley decolou, enquanto Stroll seguiu na pista com a suspensão totalmente avariada. Ambos abandonaram a etapa. Para o piloto da casa restou lamentar o abandono tão cedo no evento.

A segunda polêmica veio com duas voltas para o encerramento! A modelo Winnie Harlow, escolhida para dar a bandeirada final, mesmo posicionada e orientada com antecedência, errou e fez o movimento com o pano quadriculado antes do previsto, o que provocou uma grande confusão. Mesmo depois dando a bandeirada no momento correto, Winnie não conseguiu consertar o “estrago” que já havia sido feito. Os dois últimos giros foram anulados e mudanças aconteceram. Daniel Ricciardo, por exemplo, perdeu a volta mais rápida para Max Verstappen, seu companheiro de equipe na Red Bull.

O volante de ouro da corrida vai para Sebastian Vettel. – Nota 10 para o alemão! Voltou a dominar absoluto tanto a classificação como a corrida. Equipe perfeita na tática e entregando um carro confiável ao agora líder do campeonato. Foi uma corrida dos sonhos realizado pelo piloto da Ferrari.

Já o pneu furado é de Lance Stroll. – Nota 2! Apesar de não ser diretamente culpado pelo acidente com Brendon Hartley ainda na primeira volta, o canadense poderia ter sido mais cauteloso. Correndo em casa seria importante, ao menos, levar o carro até a linha de chegada. Faltou calma.

A próxima etapa da Fórmula 1 acontece daqui a duas semanas com o retorno da pista de Paul Ricard, na França. A categoria não corre lá desde 1990. Até a próxima e grande abraço, galera!

Por James Azevedo