Segue tudo bem na seleção

Segue tudo bem na seleção

CBF lança nota oficial e avalia positivamente o Brasil na Copa

Fala rapaziada! A Confederação Brasileira lançou na última quinta-feira uma nota oficial sobre o desempenho da seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia. Segundo a nota, apesar da eliminação para a Bélgica nas quartas-de-final do Mundial, a entidade considerou positivo o trabalho desenvolvido pelos jogadores e pela comissão técnica. Dá para concordar ou não?

Com cinco títulos mundiais no currículo é difícil de se contentar com uma eliminação tão prematura como foi a do torneio mais importante da categoria. É no mínimo contraditório. A seleção mais vitoriosa do planeta deveria estar acostumada a frequentar as fases finais da competição e qualquer outro resultado diferente deveria causar estranheza aos dirigentes brasileiros. Mas não é o que parece e nem o que pensa o comando da CBF. Seria então a grana arrecadada com os patrocinadores durante o período em que a seleção esteve na Copa e que encheram os cofres da Confederação o ponto a ser considerado nesta análise?  A verdade é que em campo o time de Tite esvaziou o resto de esperança que existia no peito do torcedor brasileiro. Dura realidade pós humilhação caseira.

Intrigante mesmo é o fato da CBF se manifestar quase 30 dias depois do fim da competição por meio de uma nota em defesa do desempenho pífio de Neymar e de sua trupe. Jogador este, diga-se de passagem, bombardeado incessantemente durante o mundial e que segue na berlinda graças a infeliz campanha publicitária de uma marca de lâminas de barbear.

Apesar do pronunciamento suspeito a permanência de Tite no comando técnico da equipe é coerente. Por outro lado, é preciso ligar o alerta para o que vem por aí. Faltam apenas quatro anos para o próximo mundial e o processo de renovação se faz mais do que necessário. É obrigatório! É preciso muito cuidado com a nova geração que chega para não queimarmos etapas deste ciclo. Se dentro de campo os cuidados passam por este equilíbrio com as mudanças nas peças do jogo, fora dele assumir as responsabilidades dos fracassos e não tapar o sol com a peneira já é uma lição a ser aprendida. Rumo ao hexa!

By Rod Torres

 https://www.acapivaradeucria.com.br

 https://www.facebook.com/capivaradeucria

 https://www.instagram.com/acapivaradeucria/

#acapivaradeucria

#capivaraatleta

 

Sonho adiado

Sonho adiado

Torcida titi titi da vida até 2022

Fala galera, amante da coluna do Cruzou é Gol no bom site do Pop Bola. É com lágrimas nos olhos que vamos para as análises especiais de Copa do Mundo. A geração belga se deu bem e o Brasil volta para casa. O jogo começou com o canarinho original indo com tudo para cima dos belgas. Foram pelo menos duas boas chances para abrir o placar logo de cara. Em uma delas a bola acertou caprichosamente a trave do goleiro Coutois. O gol era uma questão de tempo e saiu: Fernandinho foi o pai da criança. Foi ele que botou lá dentro. Eu vi! Eu vi! Quem não viu foi o próprio volante brasileiro que as redes não eram as redes adversárias. Bola contra o próprio patrimônio! O Brasil não se abateu e partiu ainda mais para o ataque, no entanto em um contragolpe mortal, os diabos vermelhos fizeram o segundo com “De Bruyne Surfistinha”. Méritos para a arrancada sensacional do negro gato, Lukaku. E o primeiro tempo terminou assim com derrota brasileira. Nem a mascote pistola e tampouco o feiticeiro importado puderam ajudar.

 

No segundo tempo, o técnico ♫ Tititi, tititi, tititi papo de tiete♫ tirou Willian Super Shock” e lançou o porteiro Firmino. O Brasil melhorou, mas não esbarrou na boa atuação do goleiro Coutois. ♫Que tititi é essa que vem da sapucaí♫ mexeu novamente, ele sacou o ♫vai paulinho♫ e colocou o Doutor Renato Augusto. Depois foi a vez de sacar Gabriel, apenas Gabriel (não vou falar o nome de Jesus em vão), para a entrada de Douglas Costa. Antes de sair de campo, o menino Jesus, em um lance duvidoso, foi derrubado na área pelo zagueiro belga. E o VAR? Aonde está o VAR? Ahhh… VAR… Philippe,“ex-craquinho”, achou Renato Augusto no meio dá defesa demoníaca e encheu o povo de esperança outra vez. Teríamos “feriado” na próxima semana? O time criou outras boas chances, mas como diz o ditado, a esperança de pobre dura pouco e o jogo terminou com a nossa derrota e dia normal de trabalho na semifinal. O Brasil foi eliminado e deixou o sonho do hexa para 2022. Brasil eliminado por puro azar, ou melhor, Hazard.

Os amigos leitores devem ter reparado que não falamos do “Neymarra”. Pois é, falar o quê? Neymar não jogou bem e pouco ajudou a seleção brasileira. A melhor jogada foi a de sempre: uma tentativa de cavar um pênalti e nada mais. A Copa do Mundo acabou e a sensação é de que poderíamos ter ido mais longe. De resto a convicção de se ter uma boa base para 2022. Faltam mil e… dias.

TODO MUNDO TENTA, MAS SÓ O BRASIL É PENTA

    

Até a próxima coluna e sigam as zoeiras em nossas redes sociais.

https://www.facebook.com/cruzouegol

https://www.twitter.com/cruzouegol

https://www.instagram.com/cruzouegol

POR: MAYCO COSTA, ABSALAN SILVA, FLÁVIO BRITO E LUCAS LIECHENSTEIN

Seleção só acerta no 2º tempo

Tite, tem que resistir à tentação de ser retranqueiro

Seleção só acerta no 2º tempo

Na idade média os alquimistas diziam ter uma fórmula para transformar chumbo em ouro. As promessas não foram concretizadas e acabaram batizando a expressão “ouro de tolo”.

Na década de 1970,  Raul Seixas usou a expressão para dar nome a uma música em que reclamava de ter atingido seus objetivos, mas que não poderia se conformar e ficar parado.

Tem uma parte da musica que me alimenta o espírito atualmente. “Ah, mas que sujeito chato sou eu, que não acha nada engraçado, macaco, praia, jornal, tobogã, eu acho tudo isso um saco”.

“Mas o que isso tem a ver com esporte?’, deve está se perguntando o meu leitor matinal. É que a vitória do time da CBF neste domingo pode ter sido “ouro de tolo”. No primeiro tempo enquanto jogou com o time titular, a Croácia controlou o amistoso com o time de Tite. O toque de bola era croata, os “brucutus” estavam do lado brasileiro. Casemiro e Fernandinho juntos é de uma pobreza ofensiva impressionante. Até o “poderoso” líder do campeonato brasileiro joga com apenas um volante de marcação, logo, Tite poderia desistir logo dessa armação. O garoto propaganda do maior banco do país deveria pensar numa escalação mais ousada.

No segundo tempo, o rapaz mimado que veste a camisa 10 da seleçãol entrou em jogo e mostrou porque é uma das estrelas do mundo da bola. Sua presença pareceu sacudir a pasmaceira do time da CBF.

 Lucas Figueiredo/CBF

O time tem que evoluir, aprender a sair da armadilha dos times que marcam na saída de bola, a tal “marcação alta” que o modernoso jargão da bola classifica. O 2 a 0 foi placar mentiroso, foi “ouro de tolo” e não deu a dimensão do que foi o jogo.

 Lucas Figueiredo/CBF

Tenho a impressão que Tite foi responsável por uma coisa positiva que aconteceu no Maracanã. Tenho cá pra mim que a não convocação para a Copa deixou Diego mordido. Na boa partida entre Flamengo e Corinthians, o camisa 10 da Gávea teve uma atuação no nível das que teve até se contundir na Libertadores do ano passado. Armou, chutou com perigo, arrancou com a bola dominada, participou do gol que decidiu o jogo. Estava tão pilhado, que recebeu um cartão amarelo por reclamação e está fora do Fla-Flu.

A vitória quase se transforma em “ouro de tolo”. O marombado Anderson Daronco terminou o jogo num lance que despertou polêmica. Mas ao acompanhar o replay, dá para perceber que ele apita o jogo quando Rodinei pega a bola e vai despachar. Ele nem olhou. Quando lateral rubro-negro pegou a bola, ele decretou o fim da partida. Na sequência, já com o jogo encerrado, é que a bola parou no pé do jogador corintiano.

A partida mostrou que sem Guerrero, não dá para contar com Henrique Dourado. Ele perdeu boas chances e errou lances fáceis. As 9 primeiras rodadas o Flamengo são de sonho. O time foi líder em 6, tem o melhor ataque, fez gol em todos os jogos, e tem um aproveitamento de mais de 70%.

 Gilvan de Souza

Depois da Copa do Mundo o Brasileirão será uma outra competição. Resta saber que Flamengo volta depois do recesso. Apesar de algumas bobeadas, Maurício Barbieri vai dando padrão de jogo ao time. A contratação de um diretor de futebol, como Paulo Autuori, por exemplo, pode mudar o patamar  rubro-negro.

Resta saber se a temporada rubro-negra será dourada ou se não passará de “ouro de tolo”.

Por Creso Soares