O Flamengo tem que ser transparente

O Flamengo tem que ser transparente

Clube deve mudar estratégia para melhorar a imagem

Vidas não têm preço. Essa frase desgastada e verdadeira voltou à tona nas negociações pra a reparação às família atingidas na tragédia do Ninho do Urubu. O Flamengo colocou os pés pelas mãos e deixou os parentes revoltados com o que foi proposto.

Neste domingo, com muito atraso, o presidente Rodolfo Landim apareceu para dar uma coletiva. Na entrevista, ele disse que os números que apareceram noticiados são um piso para as negociações com os parentes das vítimas e não um teto.

A verdade é que vidas não tem preço, mas nos casos de reparação precisam ser precificadas. Não há outro caminho. Se são R$ 400 mil ou R$ 2 milhões por morte vai depender do que as partes conseguirem acordar. O fato é que vidas humanas não deveriam ter valor monetário, mas nesse caso terão.

O papel dos pais é tentar o máximo que achem justo e o papel do Flamengo é procurar pagar o que o clube acha justo. É assim que as partes se sentam nessa dolorosa e necessária mesa de negociação. Um dos pais disse que o Flamengo não pagou nada e nem deu assistência. É papel dos jornalistas apurar se essa informação é verídica. Tentar com o clube notas e transações bancárias que mostrem as despesas que a instituição diz ter. Enquanto estiver no “declaratório”, com o Flamengo dizendo que pagou e as famílias dizendo que não estão recebendo ajuda ficam abertas as portas para que cada um acredite no que quiser.

Li nas redes sociais que há pessoas querendo parar de pagar o plano de sócio-torcedor do Flamengo enquanto não forem pagas as indenizações. Pois bem, se isso acontecer, aí é que vai demorar mais para que o clube  arque com as consequências financeiras provocadas pela tragédia. Pois, se fechar uma das torneiras, o Flamengo pode passar por uma asfixia financeira.

Um insuportável serviço de telemarketing me ofereceu um seguro de vida. Para o caso de acidentes, foi calculado o valor de R$ 300 mil. Logo, posso concluir que para o banco em questão minha vida tem valor: R$ 300 mil.

O futebol estipula os valores para a vida. Neymar saiu do Barcelona para o PSG por  cifras equivalentes a quase R$ 1 bilhão.  Cristiano Ronaldo arrumou um jeito para que o Real Madrid o vendesse a uma quantia correspondente a “apenas” R$ 100 milhões a Juventus de Turim.

Vi muita gente que admiro dizendo que uma vida não tem valor. Mas tudo que as pessoas precisam neste momento é chegar ao acordo do valor de uma vida. É duro, mas os advogados de ambas as partes devem deixar a emoção fora da mesa de negociações. Os sentimentos devem ficar com as famílias. Elas perderam algo irrecuperável.

E como nesses casos é comum, devem ter aparecido profissionais do Direito insuflando os sentimentos mais hostis contra o clube nessa ocasião delicada. Em vez de uma orientação jurídica, em alguns momentos esses profissionais querem colocar mais lenha na fogueira, pois quanto maior o valor da indenização e o tempo que o caso se arrastar, maior serão seus ganhos.

A não ida de Rodolfo Landim à reunião com as famílias passou a mensagem de insensibilidade. Ao se tornar o dirigente máximo do clube, as responsabilidades são na “saúde e na doença”. A ausência só piorou a imagem do Flamengo.

O clube errou ao fazer uma comunicação falha. A entrevista coletiva deste domingo teve também a função de mudar a estratégia pública para tratar o caso. Quem sabe pode diminuir o estrago ocasionado pelo fato do vice-presidente jurídico, Rodrigo Dunshee,  deixar a reunião com as famílias antes do fim, alegando que tinha outras coisas para fazer. A prioridade de todos deveria ser resolver essa situação dramática.

E nesse momento de fragilidade da instituição, aparecem os inimigos. Junto com a justa revolta pela situação, alguns inimigos do clube acentuam a campanha para que o Flamengo seja severamente punido. Já houve teses de que o clube deveria ser rebaixado, ter bens e receitas bloqueados. Essas declarações não são de apoio às vítimas, são uma campanha para derrubar o concorrente no mercado do futebol.

A vida é assim. Inviabilizar o Flamengo enquanto clube de futebol é um dos objetivos desses inimigos. A preponderância financeira rubro-negra , consequência direta da imensidão de sua torcida, desperta inveja e ira. Há inimigos que querem o enfraquecimento do Flamengo, que aproveitam a tragédia para atacar a instituição.

Minha total solidariedade a essa famílias que perderam seus filhos. Que viram os sonhos serem arrancados. Mas meu total repúdio à quem se aproveita desse fato lamentável para querer aniquilar o Flamengo. Que os responsáveis sejam punidos civil e criminalmente. Mas o Flamengo, ao contrário do que pensam alguns, não pode acabar.

 

Por Creso Soares

Rodada dos centroavantes

Rodada dos centroavantes

Uribe, Deyverson, Damião e Maxi são decisivos na reta final

O Flamengo de Dorival Júnior é um time mais aguerrido do que o dirigido por Mauricio Barbieri. Tenho que dar o braço a torcer. Eu não era favorável à substituição do técnico. No entanto, até o momento, parece que estratégia foi eficaz.

O crescimento do time está ligado à melhora de desempenho de Vitinho. O atacante está recuperando a confiança e participou dos três gols contra o Fluminense. O rubro-negro teve uma atuação intensa e segura. Nesta rodada dos centroavantes, Uribe parece ter finalmente estreado, ao marcar dois gols contra o Fluminense.

Ao que parece, o Flamengo não está sentindo falta de Diego. No entanto, é cedo para descartar o jogador. A diretoria do Flamengo que discute a renovação do contrato do meia, deve lembrar que a venda de Paquetá desfalcará o time demais em 2019. Logo, abrir não do camisa 10 seria temerário.

Diego é um jogador experiente e de qualidade. O time de 2019 deve ser montado tendo como espinha dorsal ele, Éverton Ribeiro e Vitinho. Mesmo num momento de turbulência eleitoral, o ano que vem deve ser pensado com responsabilidade e inteligência.

O Internacional venceu o São Paulo por 3 a 1 e garantiu a vice-liderança. O destaque foi o centroavante Leandro Damião, que saiu do banco. Fez os dois primeiros gols da virada e ainda sofreu o pênalti que resultou no terceiro gol. O Inter fez 14 jogos em casa, vencendo 11 e empatando 3. O Beira-Rio talvez seja o grande destaque do Colorado.

Já o São Paulo vê o título do brasileiro se distanciar. A competição não costuma perdoar momentos de instabilidade. Cinco jogos sem vencer é muito num campeonato tão parelho. O tricolor paulista está a 7 pontos do líder, matematicamente é possível, mas na bola é muito improvável. O vencedor do primeiro turno parece que tomou uma virada e vai ficar pelo caminho.

A rodada foi muito boa para o incrível Palmeiras de Luiz Felipe Scolari. A vitória sobre o Grêmio no Pacaembu praticamente retirou os gaúchos da briga pelo título do Brasileiro.

Como escrevi na coluna anterior, o Palmeiras tem dois times igualmente eficientes. Por esse motivo, os paulistas são os favoritos para conquistar o título nacional.

O zagueiro Bressan do Grêmio vai ter pesadelos com o centroavante Deyverson. No primeiro gol, o palmeirense se antecipou e marcou. No segundo, Bressan foi aliviar com a categoria de um beque de roça. Deu um pipoco pra cima e o platinado atacante do Verdão se aproveitou, deu um drible desmoralizante e sacramentou a vitória.

A verdade é que 2018 pode ser ano da redenção de Felipão, estigmatizado por ser o técnico da pior derrota que o time da CBF já sofreu, o experiente treinador mostra que ainda tem fôlego e conhecimento para ser campeão. O Palmeiras é um time solidário, que mescla o talento de Dudu, Moisés e Bruno Henrique, com a força de vontade de Deyverson, Willian Bigode e Borja. O time corre por Felipão e isso é um grande mérito.

Na parte de baixo, o Vasco conseguiu um belo resultado em São Januário contra o Cruzeiro. Se o Vasco conseguir se livrar do rebaixamento, deverá muito ao centroavante Máxi Lopez. O argentino, mesmo longe do melhor da forma, dá alguma qualidade ao time de São Januário. Neste domingo fez um belo corta-luz para o primeiro gol de Pikachu. No segundo, recuperou a bola numa bobeira da zaga cruzeirense e fez um gol que poucos atacantes sabem fazer. Uma “chapada” em curva no cantinho do goleiro.

E depois de vermos uma Copa do Mundo em que Gabriel Jesus não marcou e que o centroavante da equipe campeã também não balançou as redes, o Brasileirão parece resgatar o papel de protagonismo desta posição no futebol.

Por Creso Soares

Porco e Fla ganham gás na reta final

Palmeiras e Flamengo ganham fôlego na reta final

Rodada do fim de semana foi muito favorável para os times de Felipão e Dorival

Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

O Palmeiras tem dois times fortes. Para que o torcedor desatento tenha uma ideia, Lucas Lima seria titular em qualquer dos outros 19 times que disputam o brasileiro. E ele é reserva no Palmeiras. Quando ele sai entra Bruno Henrique. Isso explica porque nesse momento, o porque do time dirigido por Luiz Felipe Scolari liderar o brasileiro com certa folga.

E esse Palmeiras quebra paradigmas. Trocou de técnico no meio da competição. Trouxe um técnico que muitos consideravam acabado depois do vexame dos 7 a 1. É muito injusto julgar Felipão apenas pelos 7 a 1. Ele também é campeão mundial em 2002, com a última seleção a ganhar os 7 jogos da copa.

O Palmeiras tem uma consistência defensiva impressionante. Toma pouquíssimos gols. Não se quer exigir da equipe um futebol vistoso. O esquema de Felipão é eficiente. E o torcedor palmeirense está muito feliz com isso. Nada como ter moral junto à torcida.

 Gilvan de Souza/flamengo.com.br

Nessa reta final de brasileiro, por incrível que possa parecer, o Flamengo pode renascer das cinzas para se tornar o grande adversário do Palmeiras pelo Brasileirão. Numa rodada extremamente favorável, o rubro-negro pulou da quinta para a terceira posição.  Distância para o líder continua em 4 pontos, mas enfrenta o Palmeiras em casa e pode cortar essa diferença para apenas 1.

O time com Dorival Júnior se mostrou menos passivo. Encontrou um dos piores times do Corinthians dos últimos anos. Resultado, com um futebol um grau acima de razoável enfiou 3 a 0 categórico no Corinthians. O que só deixa mais vexatória a derrota na semifinal da Copa do Brasil.

É claro que descartar qualquer um dos cinco times que disputam a ponta do campeonato é precipitado, mas neste momento, Inter e São Paulo parecem ter chegado ao ponto máximo. O Grêmio está a 5 pontos do Palmeiras, mas não se pode desprezar a força da equipe de Renato Gaúcho.

Com uma diferença tão pequena, uma rodada pode mudar absolutamente tudo. Na verdade, o Palmeiras garantiu mais uma rodada na liderança, pois ampliou o saldo de gols em relação ao Inter. Mesmo que a equipe gaúcha vença e os paulistas percam, dificilmente a diferença de gols será descontada.

A próxima rodada terá cara de mata-mata. Palmeiras e Grêmio se enfrentam, Inter e São Paulo também. O Flamengo terá pela frente um Fluminense que está se acertando. Se vencer o clássico, o Flamengo pode se colocar ainda melhor no campeonato, tendo em vista o confronto direto dos outros times que disputam a ponta. Se houver empates nos outros jogos, o Flamengo pode sair na vice-liderança, distante apenas dois pontos do Palmeiras.

Se as coisas derem certo para o Flamengo até lá, a 31ª rodada poderá ganhar ares de final, quando a equipe carioca enfrenta o Palmeiras no Maracanã. Mas antes, tem que passar por um dos maiores rivais e pelo lanterna Paraná.

O Palmeiras é favorito no Brasileirão, mas está muito longe de poder dizer que a mão está na taça. E o campeão do primeiro turno, o São Paulo, perdeu o fôlego. Às vezes isso acontece, o vencedor do primeiro turno não ganhar no fim.

 

Por Creso Soares