Vexame na Copa Davis

05/02/2019

Vexame na Copa Davis

Brasil perde em casa e vai para ‘série B’

 CBT/Divulgação

A equipe brasileira de tênis fez vexame no último fim de semana. O time conseguiu perder para a equipe C da Bélgica no confronto da Copa Davis. O vencedor teria a oportunidade de disputar a fase final da competição – uma mini-copa do mundo entre os dias 18 e 24 de novembro – cortesia da empresa do zagueiro Gerard Piqué do Barcelona que vendeu esse formato de torneio para a federação internacional de tênis.

O time formado pelos gloriosos Thiago Monteiro e Rogério Dutra Silva no simples e Bruno Soares e Marcelo Melo nas duplas era considerado superior. Além disso, o jogo em casa e no piso em que os brasileiros jogam melhor – saibro –  Tudo a favor, porém, derrota por 3 a 1. Apenas Thiago Monteiro venceu. Depois do fracasso, o ‘capitão’ (Técnico) da equipe pediu demissão após 9 anos no cargo.

O fato é que o tênis vive uma longa entressafra sem data para terminar. Os jogadores de simples são apenas medianos. Thomaz Bellucci, que viveu os melhores momentos do tênis pós Guga – chegou a ser top 30 do mundo não conseguiu ser regular. Nossos duplistas, Bruno Soares e Marcelo Melo, são ótimos, mas com outros parceiros não costumam ter o mesmo desempenho quando jogam juntos.  Isto é evidente e ficou comprovado pela derrota sofrida para uma dupla belga top 100 do mundo.

É possível ter esperanças? Sim, mas não em um futuro próximo. Existem bons tenistas em transição para o profissional. Casos de João Pedro Sorgi e Thiago Wild. Entretanto é bom lembrar que o bom desempenho no juvenil não garante sucesso no profissional.

O tênis é um jogo técnico, estratégico e que exige muita força mental. Desde Gustavo Kuerten, que esteve no auge até a contusão no quadril, ainda não surgiu nenhum tenista que reunisse estas características. Com isto o Brasil fica para trás e a Argentina, o Chile e até mesmo a Colômbia comecem a despontar no cenário para disputar a fase final da Copa Davis.  O Brasil, atualmente, está na zonal americano, a série B da Copa junto com Uruguai, Equador e República Dominicana. Uma vergonha.