Na prancheta

06/12/2017

Na prancheta

Os 50 maiores defensores da história do futebol

A boa dica desse fim de ano é o livro “Os 50 maiores defensores da história do futebol” dos jornalistas Anderson Moura e Tauan Ambrosio e lançado pela Editora Via Escrita, após financiamento coletivo bem sucedido. O projeto de anos dos autores foi finalmente realizado, após quase ser cancelado com a ida de um deles para o Canadá. Com entrevistas, o livro elenca a lista de cinquenta nomes com alguns critérios e traz nomes como Paolo Maldini, Figueroa, Beckenbauer e Carlos Alberto Torres:

O livro “Os 50 maiores defensores da história do futebol”, escrito pelos jornalistas Anderson Moura e Tauan Ambrosio, não contempla necessariamente os 50 melhores jogadores de defesa que já passaram pelo esporte. Primeiramente porque avaliar quesitos técnicos pode vir a ser um trabalho movido pela subjetividade. As memórias seletivas e afetivas fazem com que cada um possa criar sua lista e justificá-la com argumentos pessoais.

Além disso, alguém pode estar entre os maiores sem necessariamente estar entre os mais habilidosos, ou mais disciplinados, ou mais vitoriosos. A grandeza de um jogador pode estar atrelada a sua história de vida. Sua capacidade para enfrentar obstáculos e superá-los, seu profissionalismo, seu entendimento do jogo e por aí vai.
É importante dizer que alguns jogadores fazem parte dessa lista porque participaram de equipes que revolucionaram ou influenciaram no modo como o futebol é visto em todo mundo. Grosso modo, é como dizer que eles estavam no lugar certo e na hora certa, mas sem que isso diminua de alguma forma a participação que eles tiveram nos grandes feitos de suas equipes ou seleções. O catalão Carles Puyol, por exemplo, não foi melhor que Thiago Silva ou tantos outros que ficaram fora do livro, mas tem uma representatividade maior que os excluídos em diversos aspectos.
Igualmente importante ressaltar que a figura humana também teve grande influência na decisão dos escolhidos. Por mais que o jogador de futebol seja jogador muito mais que 90 minutos, ele não o é 24 horas por dia. Há um compromisso em mostrar as facetas que os profissionais não demonstram nos campos ou nas entrevistas coletivas. Saber como eles impactaram as sociedades nas quais viviam e sua importância fora dos estádios“.

Contendo 310 páginas e prefácio de Mauro Beting, “Os 50 maiores defensores da história do futebol” pode ser encontrado no site da Editora Via Escrita.