Jogos Olímpicos da juventude

10/10/2018

Jogos Olímpicos da juventude

A Olimpíada das “categorias de base”

Jogos Olimpicos da Juventude Buenos Aires 2018 ? 06/10/2018 – Jogos Olimpicos da Juventude 2018 – Na foto cenas da abertura dos jogos realizada no centro de Buenos Aires. Foto: Jonne Roriz/Exemplus/COB

Começou no último sábado (6) a terceira edição dos jogos olímpicos da juventude em Buenos Aires. São 4000 atletas de 206 países experimentando pela primeira vez o gosto de uma competição olímpica A disputa é uma espécie de Olimpíada da categoria de base com atletas de 14 a 18 anos das mais várias modalidades esportivas. O COI usa os jogos para testar algumas até bem inusitadas. O Breakdance (sim, existe competição de Breakdance, por incrível que pareça) e o kart são algumas delas.

O Brasil foi para os jogos com uma delegação bem enxuta. São apenas 81 atletas. De acordo com a avaliação do COB, eles têm potencial para os jogos de 2024. Quem sabe até 2020, quem sabe? O fato é que os jogos são ótimas oportunidades para revelar novos valores. Nomes como: Thiago Braz, Isaquias Queiróz, Flávia Saraiva, Duda do vôlei de praia, Hugo Calderano, Ygor Coelho apareceram para o mundo assim e já viraram realidade.

Medalhas são importantes e a conquista delas é um indicativo promissor, entretanto o objetivo principal é dar vivência olímpica ao jovem atleta. Além disso, o COI usa os também para dar oportunidades aos países com menos estrutura (e grana) para sediar os jogos olímpicos. A cidade argentina, por exemplo, foi eleita para esta edição de 2018 e Dakar, do Senegal, em 2022. Será a primeira vez que o continente africano sediará um evento olímpico.

Vale lembrar ainda que a melhor participação brasileira em Jogos da Juventude aconteceu em 2014 na cidade de Nanjing (CHN). Foram seis medalhas de ouro, seis de prata e uma de bronze para o Brasil. Para este ano, o COB não estipulou metas, mas a expectativa é a de que o time brasileiro supere ou pelo menos mantenha o mesmo desempenho de 2014. Até o dia 18, fim dos Jogos, o Brasil segue na luta por medalhas. Vale a torcida.

Por Surto Olímpico