E o planejamento?

12/01/2018

E o planejamento?

É recorrente: no futebol do Rio de Janeiro, a falta de planejamento impera e os clubes encontram dificuldades para disputar os campeonatos em pé de igualdade com os principais rivais de outros estados. O Flamengo perdeu o treinador no início do ano de 2018 e numa medida esquisita apresentou Paulo César Carpegiani para a função. Acontece que o técnico havia sido contratado para exercer outro papel no Rubro-negro. A menos de uma semana da estreia oficial no ano o Botafogo não tem o centroavante titular. Vasco e Fluminense perdem jogadores por falta de pagamento.

O Mengão até agiu rápido na perda de Reinaldo Rueda para a seleção chilena. Em poucas horas o novo treinador foi anunciado. O problema é que o técnico assumiu e disse que está aberta a possibilidade para que um novo comandante seja contratado a qualquer momento. Como entender esta situação? Carpegiani ajuda na montagem do elenco, desenvolve o esquema de jogo, coloca o time em campo. Mas, em comum acordo com a diretoria, o futuro dirigente pode se desligar do cargo para dar vaga a outra pessoa. Faz sentido?

Globo Esporte

O Botafogo se reforça dentro das possibilidades financeiras. Contudo, o gerente de futebol afirma estar satisfeito com a lateral esquerda. Os atletas são Gilson e Yuri. O primeiro era reserva em 2017 e o segundo subiu da base, foi emprestado a times da segunda divisão e retornou ao Alvinegro. Embora o mercado seja voraz, um time de primeira linha não pode estar sem o atacante principal a menos de 7 dias do início da temporada. A falta de planejamento no Glorioso extrapola as 4 linhas. Num dia o presidente Nelson Mufarrej anuncia que a equipe não disputará clássicos no Estádio Nilton Santos e no dia seguinte o mandatário decide que o Fogão jogará em casa contra os outros grandes. O torcedor fica perdido.

Lance

O caso do Vasco é crítico. A poucos dias de começar a disputa da Copa Libertadores o Gigante da Colina tem dificuldades de apresentar o próprio presidente. Sem gestão não há como planejar e por isso o zagueiro Anderson Martins saiu reclamando dos muitos salários atrasados. Em poucas horas Anderson acertou a ida para o São Paulo. Um dia depois a torcida vascaína recebe a notícia da contratação do contestado zagueiro Frickson Erazo. O equatoriano não deixou saudades no rival Flamengo. Exacerbadas brigas políticas causam transtornos quase irreversíveis em algumas equipes. Há muito tempo o Vasco sofre com isso. Parece não ter aprendido.

Globo Esporte

O Fluminense tem a pior situação entre os 4 grandes do Rio. Além da falta de dinheiro, o Fluzão sofre com a falta de discernimento da diretoria. O presidente Abad era o candidato da situação. Contudo, ao se deparar com o rombo nos cofres das Laranjeiras, Abad resolveu atacar a antiga gestão e não parou por aí. A atual diretoria tricolor mandou jogadores embora sem ao menos ter indicado que isto poderia acontecer. Outros atletas tiveram salários atrasados e Gustavo Scarpa entrou com ação contra o clube. Até goleiro/ídolo de título brasileiro foi dispensado. Guerreiros, como a torcida chama, são os que ficaram. Cadê o planejamento?

Terra

Um abraço!

Por Fabiano Bandeira