Avante, Palestra!

08/03/2018

Elenco reforçado graças ao poder financeiro do patrocinador, estádio moderno, um atraente plano de captação de torcedores. Alguns fatores que fazem do Palmeiras o time que mais levou torcedores aos estádios em 2018. O verdão lidera a média de público pagante por jogo no Brasil, com 28.883 espectadores por partida. Logo atrás do alviverde aparece outro clube paulista.

O timão, atual campeão brasileiro e dono de uma das torcidas mais fanáticas do país, levou até o momento uma média de 25.400 maloqueiros sofredores. Apesar dos estaduais terem perdido a importância nos últimos anos, o Paulistão ainda sobrevive em meio ao descrédito de outros torneios regionais.  Os times paulistas têm mais dinheiro, são mais organizados e, consequentemente, conseguem levar mais torcedores para os campos.

O São Paulo aparece no top 5 com a boa média de 16.189 por partida. A lista apresenta alguns dados curiosos, mas que não causam tanta estranheza. Paysandu e Remo ocupam respectivamente a 9 ª e a 10 ª posição no ranking. Torcidas apaixonadas e que ainda valorizam a disputa das competições locais.

O que causa tristeza nesse levantamento é a pífia média de público nos jogos do Cariocão. Pouco investimento, crise econômica e política nos clubes- com exceção do Flamengo, torneio deficitário e pouco atraente, excesso de jogos, adversários com nível técnico discutível, e campos em estado de petição de miséria.

É claro que a ausência do Maraca faz a média cair, mas o pobre Mário Filho não pode carregar esse fado sozinho. O outrora maior estádio do mundo está abandonado, encolhido em seu canto a espera de alguém que possa acolhê-lo. A maior torcida do país ocupa a modesta 14 ª posição, com uma média de 7 mil torcedores. Muito pouco para o gigantismo do Flamengo, mas um número nem tão irrelevante para um campeonato que vive às moscas.

Não à toa, os clubes têm levado os clássicos para outras cidades para tentar arrecadar mais dinheiro e atrair mais público. Fla-Flu em Cuiabá, mengão no Espírito Santo…E os torcedores que já estão desanimados com o campeonato, cada vez mais se afastam e perdem o interesse. O Vasco, que jogou a pré-libertadores, ocupa apenas a décima sétima posição, atrás do CSA?  O Botafogo aparece no final da lista com 5.602 aficionados. O problema é que esse é o fogão de Ribeirão Preto. Fluminense (5.048) e Botafogo (2.846) ficaram fora do Top 20.

O torcedor carioca tem medo de sair de casa por conta da violência, os times não convencem, o espetáculo não é atraente. O tricolor, por exemplo, mandou alguns jogos no estádio Los Larios, em Xerém. Um temporal desabou sobre a cidade e o que vimos foi tudo menos futebol. Campo alagado e funcionários fazendo de tudo para fazer a bola rolar. Amadorismo é pouco. Como jogar no Maraca custa caro, a diretoria do Flu sonha com a volta do Estádio das Laranjeiras. O projeto prevê modificações no velho campo, mas depende de uma série de liberações, dinheiro e vontade política para sair do papel. Em 72 partidas do Cariocão- que não merece mais esse apelido- foram vendidos 172.647 ingressos, uma incrível média de 2,397 torcedores. A partida entre Resende e Macaé levou 165 abnegados ao estádio. Enquanto Palmeiras e Corinthians lotam até treinamentos, os clubes do Rio suam litros para botar meia dúzia de gatos pingados em seus jogos. É lamentável.

Por Alexandre Araújo