Vettel domina GP do Canadá

11/06/2018

Vettel domina GP do Canadá

Alemão vence pela 50ª vez

O alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, partiu da pole position para a vitória neste domingo em Montreal, no Canadá, alcançando a terceira conquista nesta temporada. Valtteri Bottas, da Mercedes, chegou em segundo e Max Verstappen, da Red Bull, completou o pódio. Vettel assumiu a liderança pelo mundial de pilotos em 2018 e está com um ponto de vantagem para Lewis Hamilton acirrando ainda mais a disputa para a sequência do campeonato. Foi um fim de semana perfeito para Vettel. Com uma apresentação irretocável, o tetracampeão mundial chegou na vitória número 50 da carreira. Vale lembrar que Sebastian está a apenas um triunfo de alcançar o lendário piloto francês, Alain Prost. A primeira vitória da carreira do alemão foi em Monza, na Itália, em 2008, pela pequena equipe Toro Rosso. Foi uma disputa na chuva que serviu para mostrar todo o talento e audácia características que o acompanham até hoje em sua trajetória vitoriosa.

Aos 30 anos de idade (completa 31 no próximo dia três de julho), Vettel mostra o quanto amadureceu na principal categoria do esporte a motor. Se há alguns anos ele cedia fácil a pressões e reclamava demais pelo rádio do carro sobre movimentos de adversários na pista, agora ele está mais centrado e parece ter deixado as reclamações para trás. Sebastian demonstra que está focado no objetivo de levar a Scuderia Italiana de volta ao topo. A Ferrari não ganha um caneco desde de 2007 com Kimi Raikkonen. Apesar de alguns percalços neste ano como o de Baku, no Azerbaijão, Vettel mostra para os fãs que luta diretamente pela taça com Hamilton. Aliás, que resultado ruim alcançou Lewis. O inglês foi apenas o quinto colocado depois de largar na quarta posição. Hamilton demonstrou menos consistência de prova do que o próprio companheiro Bottas. Com isto perdeu a ponta na tabela de pontos. Por outro lado, o que não tem agradado aos aficionados na categoria é que as corridas têm oferecido poucos momentos memoráveis e marcantes. O regulamento técnico não favorece as ultrapassagens já que a aerodinâmica ainda é um problema sério a ser resolvido.

De volta a corrida, a disputa contou com raríssimos momentos de emoções. Poucas brigas no traçado e destaque apenas para duas oportunidades. Uma no início e depois outra já no final da prova. A primeira aconteceu logo após a largada, o canadense Lance Stroll, da Williams, e que corria na terra natal pelo segundo ano consecutivo, teve um pneu furado. Stroll perdeu o controle do carro. O bólido do novato saiu de traseira e acabou encostando e empurrando Brandon Hartley, da Toro Rosso, contra o muro. O choque foi inevitável. Hartley decolou, enquanto Stroll seguiu na pista com a suspensão totalmente avariada. Ambos abandonaram a etapa. Para o piloto da casa restou lamentar o abandono tão cedo no evento.

A segunda polêmica veio com duas voltas para o encerramento! A modelo Winnie Harlow, escolhida para dar a bandeirada final, mesmo posicionada e orientada com antecedência, errou e fez o movimento com o pano quadriculado antes do previsto, o que provocou uma grande confusão. Mesmo depois dando a bandeirada no momento correto, Winnie não conseguiu consertar o “estrago” que já havia sido feito. Os dois últimos giros foram anulados e mudanças aconteceram. Daniel Ricciardo, por exemplo, perdeu a volta mais rápida para Max Verstappen, seu companheiro de equipe na Red Bull.

O volante de ouro da corrida vai para Sebastian Vettel. – Nota 10 para o alemão! Voltou a dominar absoluto tanto a classificação como a corrida. Equipe perfeita na tática e entregando um carro confiável ao agora líder do campeonato. Foi uma corrida dos sonhos realizado pelo piloto da Ferrari.

Já o pneu furado é de Lance Stroll. – Nota 2! Apesar de não ser diretamente culpado pelo acidente com Brendon Hartley ainda na primeira volta, o canadense poderia ter sido mais cauteloso. Correndo em casa seria importante, ao menos, levar o carro até a linha de chegada. Faltou calma.

A próxima etapa da Fórmula 1 acontece daqui a duas semanas com o retorno da pista de Paul Ricard, na França. A categoria não corre lá desde 1990. Até a próxima e grande abraço, galera!

Por James Azevedo