Colunistas Fixos

Domingo da Vergonha

18/02/2019

Domingo da Vergonha

Diretoria estraga final da Taça Guanabara

Eu havia escrito um texto sobre a situação do Flamengo. Para não demonstrar alienação, eu colocaria o resultado da Taça Guanabara no fim. No entanto, os dirigentes do Vasco e do Fluminense me obrigaram a fazer um outro texto.

Não há santos nessa disputa. O presidente do Fluminense irresponsavelmente declarou guerra ao Vasco. Por sua vez, o presidente do Vasco  mandou a torcida ir para o estádio mesmo com a determinação judicial de que a decisão fosse disputada com portões fechados.

A pequenez dos dirigentes de dois clubes tão grandes resultou em cenas lamentáveis do lado de fora. Vinte e mil pessoas foram ao Maracanã. A polícia teve que usar bombas de efeito moral para conter a multidão. Havia crianças e pessoas idosas.

Em vez de uma festa, a decisão da Taça Guanabara foi um velório do futebol do Rio de Janeiro. Pouco mais de uma semana da página mais triste da história do Flamengo, Vasco e Fluminense são sua contribuição para o momento lamentável que vive o estado do Rio.

O resultado da Taça Guanabara é menor, diante do que a intransigência  dos cartolas provocou. Fica difícil defender o Campeonato Carioca diante dessa vergonha. Não conseguir decidir a posição das torcidas no estádio.

Para complicar ainda mais a situação, aos 30 minutos do primeiro tempo, a justiça do Rio que proibira a entrada dos torcedores, autorizou a abertura dos portões. É uma palhaçada, atrás da outra.

E a bola rolando é relegada ao segundo lugar. Dirigentes e Poder Judiciário assumiram o protagonismo. Diante desta falta de seriedade, a torcida do Flamengo não pode mergulhar o clube numa crise porque perdeu um jogo neste torneio medíocre.

Eu era uma das pessoas que levavam o estadual a sério, mas diante da tibieza da Federação comandada por um inacreditável Rubens Lopes e a pequenez dos dirigentes, não adianta tentar defender. Uma vergonha.

Ah, vinte e nove mil pessoas entraram e viram o Vasco bater o Fluminense e ser campeão com 100 por cento de aproveitamento. Era para se só isso que importasse. Mas não foi.

Por Creso Soares

Quem não se define se limita

16/02/2019

 

Quem não se define se limita

Qual o verdadeiro Flamengo para 2019?

Fala rapaziada, beleza? No primeiro jogo decisivo do ano o técnico Abel mostrou que continua com dúvidas em relação ao time titular do Flamengo. Já se passaram quase dois meses e a torcida aguarda a definição. OK! Ainda é início de temporada, mas o tempo é curto e a sede de conquistas é grande!

Depois de uma semana difícil por conta da tragédia no CT, o primeiro grande desafio do Flamengo na temporada criou uma grande expectativa e provocou mais uma grande decepção. Esperava-se que o time acordasse e jogasse pela honra e memória dos meninos do Ninho do Urubu, entretanto o que se viu foi um time acovardado diante de um adversário limitado tecnicamente, porém comprometido com a estratégia de jogo do seu treinador. O Fluminense lutou até o último minuto e foi merecidamente recompensado com a vitória e consequentemente a classificação.

O que dá para percebe neste início de ano é que o treinador rubro-negro insiste em jogadores que, no ano passado, provocaram um grande descontentamento. Fica claro que insistir em uma espinha dorsal que não vingou no ano anterior é um erro. Arão dá equilíbrio ao time? OK. Mas Pará, Renê e Rodinei destoam. Será que não existem jogadores na base que sejam melhores do que eles? As contratações foram boas, no entanto, elas não supriram as maiores carências da equipe. O Flamengo não tem laterais! Vale observar que Renê foi eleito o melhor do Brasileirão de 2018. Ainda assim o jogador não caiu nas graças do torcedor e a cobrança é grande. Falta coragem ao Abel. Um time com jogadores do naipe de Everton Ribeiro, Arrascaeta, Gabigol, Diego, Bruno Henrique não pode jogar para se defender. Como diria o velho “Profexô”  – O medo de perder tra a vontade de ganhar! Abel, o Flamengo tem de jogar para frente!

Abraços,

Rod Torres

https://www.acapivaradeucria.com.br

 https://www.facebook.com/capivaradeucria

 https://www.instagram.com/acapivaradeucria/

#acapivaradeucria

#capivaraatleta

Inclusão de Sul a Nordeste

 

Inclusão de Sul a Nordeste

Terceira Copa Sul e primeira Copa do Nordeste têm estreantes em pódios

Por Flávio Amaral

A coluna Orgulho em Campo estreia hoje um novo formato de curtinhas, trazendo informações de diferentes eventos que movimentam o esporte inclusivo. Nesse primeiro combinado de novidades, duas equipes conquistam seu primeiro título nos gramados em torneios regionais, contemplando duas regiões do país com taças no futebol 7 LGBT+ dando o tom de novos times pintando como potências nacionais nesse início de ano. Destaque também para a primeira exibição aberta no Rio de Janeiro do documentário Soccer Boys, sobre a história do BeesCats.

Maragatos levanta primeira taça do Rio Grande do Sul no futebol inclusivo / Crédito: Reprodução/Instagram Maragatos

Título gaúcho em Floripa

Depois de um título para Curitiba (Taboa) e um para Florianópolis (Sereyos), faltava o primeiro caneco do futebol LGBT+ para o Rio Grande do Sul. A Copa Sul Gay chegou à sua terceira edição no último dia 09 com o Maragatos, estreante em competições inclusivas de futebol 7, levantando a taça. A vitória sobre o Taboa – com quem eles haviam empatado na primeira fase – na competição organizada pelo Sereyos mostra que o futebol inclusivo pode conhecer mais uma potência na região Sul em 2019.

Com o Bravus, a capital federal também recebe seu primeiro troféu no futebol LGBT+ / Crédito: Reprodução/Instagram Bravus

Festa de Brasília no Nordeste

A Copa que tinha sua primeira edição realizada era do Nordeste, com o Dendê (BA) como anfitriões, mas os convidados não quiseram saber. O Bravus, que receberá a próxima Champions LiGay, em abril, quis chegar em abril com o status de campeão como credencial. Em Lauro de Freitas, município da região metropolitana de Salvador (BA), a equipe do planalto central venceu a Copa Gay do Nordeste, disputada nos últimos dias 09 e 10, após derrotar o também convidado Bárbaros (SP) na decisão e faturou seu primeiro título em torneios LGBT+.

Do lado de fora, os atletas contavam com fiéis torcedoras, mulheres do Mães do Arco-Íris, coletivo de abrangência nacional e com representação na Bahia formado por mães de LGBT+ que busca dar visibilidade à importância do apoio incondicional e do amor a seus filhos e organiza diversas ações de combate à LGBTfobia.

Competições de Fut7 já realizadas

Data Competição Cidade-sede Campeão Vice
Julho/2017 I Taça Hornet da Diversidade São Paulo (SP) BeesCats (RJ) Futeboys (SP)
Novembro/2017 I Champions LiGay Rio de Janeiro (RJ) Bharbixas (MG) BeesCats (RJ)
Janeiro/2018 I Copa Sul Gay Florianópolis (SC) Taboa (PR) Sereyos (SC)
Abril/2018 II Champions LiGay Porto Alegre (RS) Bulls (SP) BeesCats (RJ)
Junho/2018 II Taça Hornet da Diversidade São Paulo (SP) Bulls (SP) BeesCats (RJ)
Julho/2018 II Copa Sul Gay Curitiba (PR) Sereyos (SC) Taboa (PR)
Agosto/2018 X Gay Games Paris (França) Sud-Au-Cul (FRA) BeesCats (RJ)
Setembro/2018 Copa Sudeste LGBTQ Vitória (ES) BeesCats (RJ) Bharbixas (MG)
Novembro/2018 III Champions LiGay São Paulo (SP) Bulls (SP) Bharbixas (MG)
Fevereiro/2018 III Copa Sul Gay Florianópolis (SC) Maragatos (RS) Taboa (PR)
Fevereiro/2018 Copa do Nordeste Aracaju (SE) Bravus (DF) Bárbaros (SP)

Dos gramados para as telas

Na mesma semana dos torneios, a história do BeesCats (RJ) ganhava a tela da cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro em uma noite que uniu cinema e futebol. A exibição aberta com a comédia Pobre Yurinho, de direção de João Ademir, recepcionou o público com leveza da ludicidade da “brincadeira de bola”.

A sequência com “Marielle e Mônica”, de direção de Fabio Erdos, trouxe carga política à noite, com as memórias de Mônica Benício, que tinha em Marielle Franco, vereadora assassinada em março de 2018, a mulher de sua vida.

Encerrou a exibição “Soccer Boys”, do diretor Carlos Guilherme Vogel e produzido em parceria com o Canal Futura, mostrando a caminhada do BeesCats, primeiro time de futebol LGBT+ do Rio de Janeiro, tendo como pano de fundo a participação da equipe na segunda edição da Taça Hornet da Diversidade, vencida pelos cariocas no ano anterior. O documentário será exibido pelo canal Futura ainda no primeiro semestre de 2019.

Documentário “Soccer Boys” leva BeesCats para as telas / Crédito: Reprodução/Instagram Bravus