Os 40 anos do gol de Rondinelli

Os 40 anos do gol de Rondinelli

Título de 78 deu origem às maiores glórias do Fla e a muitas músicas

Quando a bola venceu Emerson Leão, depois da certeira cabeçada de Rondinelli, aos 41 minutos do segundo tempo da última partida do segundo turno do Campeonato Carioca de 1978, foi iniciada a Era mais gloriosa do futebol do Flamengo. Na próxima segunda-feira, dia 3, aquele título carioca, o primeiro do terceiro tri estadual rubro-negro, completará 40 anos. Mas para muitos parece que foi no domingo passado.

 

Edu Kneip com Rondinelli

Foto: arquivo pessoal

Para relembrar aqueles tempos de grande alegria para a torcida rubro-negra, um apaixonado flamenguista pôs em músicas a trajetória daquele time: Edu Kneip. Com uma composição para cada grande jogo ou conquista, o violonista, cantor e compositor lançou recentemente o CD “Vencer, vencer, vencer”. O álbum deste paulista de Taubaté abrange o período de 78 a 83, com a liberdade poética de estender à Copa União de 87, pelo grande time que formou, mas já sem muitos da base anterior, e ao Brasileiro de 92, especialmente pelo Maestro Júnior, nosso entrevistado de dois episódios atrás .

Tabelando com o Maestro Júnior

 

Porém, esta coluna trata daqueles primeiros momentos do melhor Flamengo de todos os tempos. E, após a abertura com “Manto Sagrado”, a faixa 2 narra justamente aquela tensa partida contra o Vasco, naquele tão longe e tão perto 3 de dezembro, terminando com o gol do “Deus da Raça”.

Naquele período inicial, outros compositores flamenguistas, pressentindo os dias de glória e euforia que viriam, gravaram homenagens ao clube do coração. Além de “Flamenguista”, de Pepeu Gomes, gravada em 1978 e que já entrou nesta Jogada no capítulo sobre o Clássico dos Milhões

O musical Clássico dos Milhões

, outro componente dos Novos Baianos também vibrou “rubro-negramente” em notas musicais: Moraes Moreira, em “Vitorioso Flamengo”, de 1979.

 

Kneip agora e vários compositores na época gravaram outras muitas músicas em celebração pelos muitos títulos conquistados pelo Fla, de 79 a 83, especialmente a Libertadores e o Mundial de 81. Mas estas ficarão para uma próxima Jogada de Música. Fique abaixo com o gol do Deus da Raça, na narração de Luciano do Valle e o comentário de J. Hawilla, em transmissão da TV Globo.

 

Por Eduardo Lamas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>