Alemão de sangue latino na briga

Alemão de sangue latino na briga

Vettel não joga a tolha mesmo com o quarto lugar

O alemão Sebastian Vettel tinha tudo para sair do GP de Monza, na Itália, com um resultado positivo e diminuir a distância para o líder, Lewis Hamilton. Mas ele errou feio no início da prova, tocou no rival e perdeu o controle do bólido. O carro ficou avariado, precisou fazer um pit stop e foi obrigado a fazer uma prova de recuperação. Vettel terminou em quarto e agora está 30 pontos atrás na luta pelo título. Já Lewis Hamilton venceu de forma categórica na “casa” da equipe adversária e deu “no braço e na coragem” como diriam os mais românticos, um passo importante para a conquista do campeonato. Por outro lado, o que aconteceu com Vettel? Falha de concentração? Dificuldade para manter as emoções no lugar? Fato é que: Sebastian tem demonstrado instabilidade em 2018.

during qualifying for the Formula One Grand Prix of Italy at Autodromo di Monza on September 1, 2018 in Monza, Italy.

Classificado atrás de um Raikkonen (que assegurou o novo recorde de volta mais rápida na história da Fórmula 1), Vettel cometeu um erro de julgamento na freada e contorno da chicane conhecida como Variante della Roggia logo após a largada. É possível perceber que Hamilton vinha pelo lado de fora com muito mais velocidade e surpreendeu o rival ao colocar o carro da Mercedes em posição para fazer a ultrapassagem. Sebastian, no entanto, continuou por dentro e deixou para frear o mais próximo possível da primeira perna da curva, posicionada para o lado esquerdo. Brigando pela posição, o alemão continuou com o carro ao lado de Lewis e jogou em cima da zebra para manter-se emparelhado ao rival. Considerando-se a altura da área de escape o carro de Vettel foi lançado contra o carro de Hamilton. Os dois se tocaram e Vettel rodou imediatamente. Um erro só dele!

O alemão, no entanto, não admitiu o erro e ainda culpou o adversário pela manobra. Mais um episódio em que Vettel não assume a responsabilidade pelo erro. Mais um durante a carreira. A partir daí o piloto seguiu em uma alucinada prova de recuperação. Partiu para cima dos outros carros e protagonizou ultrapassagens arriscadas, mas extremamente necessárias diante dos próprios interesses. Errou na primeira tentativa contra Sérgio Perez, da Racing Point-Force India, mas se recuperou em seguida. Vettel sabia que não podia perder tempo e contato com os líderes da etapa. Louvável pela posição no pódio e pela distância para Hamilton em pontos não ter ficado ainda maior. C

Por falar em mancadas, Max Verstappen (após manobra deliberada contra Valtteri Bottas no final da reta) foi punido com cinco segundos, caiu uma posição após o fim da corrida e ficou com o quinto lugar.

Ainda sobre erros, de volta a Vettel, ele já havia vacilado em sua própria terra natal, Hockenheim, na Alemanha. O piloto passou reto e ficou na barreira de pneus naquela oportunidade. Mais uma falha para a conta. Durante a última semana, em um evento promocional da Ferrari, Vettel também passou direto mais uma vez na pista e bateu com o bico do carro italiano. Um episódio parecido aconteceu com o japonês Kamui Kobayashi. Sebastian alegou que o fato de usar um volante que supostamente é feito em esquema mais adaptável ao companheiro de equipe Kimi Raikkonen provocou o problema. Quantas justificativas, hein?

Com todos estes fatores os rumos do campeonato apontam a tendência de que Lewis Hamilton possa “abocanhar” mais um título na carreira. Seria o quinto e com ele se igualar ao lendário Juan Manuel Fangio. As próximas duas etapas da Fórmula 1, Cingapura e Rússia respectivamente, definirão realmente como ficará o duelo. Vettel poderá dar adeus a qualquer chance real de título para a Ferrari. Conquista esta que não vem desde 2007 para tristeza dos “tiffosi”.

O troféu volante de ouro no fim de semana vai para Lance Stroll, da Williams. – Desta vez (quem diria), o jovem canadense fez tudo certo e guiou de forma segura e precisa. Com um carro mais confiável e rendendo bem, Lance terminou o GP em nono lugar e garantiu dois pontos preciosos para o time. Uma verdadeira vitória se considerado todos os problemas enfrentados em 2018. Stroll é veloz e já apresentou algum potencial, mas ainda está devendo e muito durante o segundo ano na categoria.

O troféu pneu furado do fim de semana vai para a equipe McLaren. – O time inglês com base em Woking, Inglaterra, tem entregado carros com um rendimento horrível! Não que esta seja uma novidade, no entanto, nada está tão ruim que não possa piorar. Quem vem sofrendo diretamente com isto é o espanhol Fernando Alonso. Já com a saída dada como certa da F-1 no fim da temporada, bastou Alonso confirmar isto de forma oficial para que os problemas se instalassem de vez no carro do bicampeão mundial. Resultado: mais um abandono por quebra. Uma situação lamentável para um piloto que dominou a modalidade nas últimas décadas. Tomara que ele possa se despedir de forma digna. Alonso merece isto! Nós também.

Por James Azevedo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>