Desenrola aí

A Capivara na reta final do Brasileirão

16/11/2017

Por: Fábio Araújo - A capivara deu cria

Salve Salve queridos Popbolianos, já temos o campeão! Com três rodadas de antecedência o Corinthians conquistou o heptacampeonato brasileiro com dez pontos de vantagem para o segundo colocado e agora temos as disputas pelas vagas na Libertadores e a tentativa de evitar a queda para a série B.

Muitos dirão que há também a disputa pelas vagas da Sulamericana, mas cá entre nós, embora o campeão da Copa SulAmericana garanta vaga para a Libertadores do ano seguinte ainda não há um foco na competição, sendo um bônus realmente para quem por ventura consegue escapar da briga pelo Z4.

Na parte de cima da tabela há uma disputa acirrada, mais pelos pontos perdidos do que pelos pontos conquistados. A disputa pelo G5 que poderá ser G8, caso o Flamengo conquiste a Copa SulAmericana, segue com Cruzeiro, Botafogo, Flamengo, Vasco e Bahia na disputa ponto a ponto e na rebarba ainda tem Chapecoense e Atlético – MG.

Já lá embaixo é possível que já ocorra o primeiro rebaixamento matemático caso o Atlético – PR perca o próximo jogo, ou até dois se o Avaí também perder, mas a briga atinge também Coritiba, Fluminense, Vitória, Ponte Preta e Sport.

Embora muita gente ainda não curta a fórmula com pontos corridos, não dá para manter a argumentação de que não há emoção nas rodadas finais embora já tenhamos o campeão. Agora é o momento das torcidas abraçarem suas equipes e apoiarem seja para que possa conseguir vaga em uma competição muito importante como a Libertadores da América, seja para salvar-se da degola.

O campeonato ainda não acabou e ainda falta muita água passar por baixo da ponte. Vamos conferir de perto as três rodadas finais.

Já fizeram suas apostas? Será que irão pagar a Série B? rs

Parabéns ao Corinthians pelo Heptacampeonato.

A capivara deu cria!

www.acapivaradeucria.com.br

Por Fábio Araújo

 

Coluna do Praça

Por: Fabiano Bandeira, O Praça

Corinthians campeão e o entendimento do jogo coletivo.

O Corinthians é o justo campeão brasileiro de 2017. Poucos imaginariam que o Timão terminaria o ano com dois títulos para esbanjar. A equipe paulista era chamada de “quarta força” no estado de São Paulo e Fábio Carille, treinador novato, era visto com desconfiança por parte da imprensa e da fiel torcida. Carille foi claro no começo de trabalho. O técnico afirmou que começaria a estruturar o modelo de jogo a partir da defesa, pediu paciência aos torcedores e prometeu organizar gradativamente o meio e a parte ofensiva. Num futebol tomado pelo “achismo” e pela aleatoriedade, o título nacional é o coroamento de um trabalho estratégico e minucioso.

 Globo Esporte

Gestores de clubes brasileiros ainda têm dificuldade para entender que o futebol é um esporte coletivo e que a individualidade é parte do todo. O Corinthians de 2017 mostra que o conjunto potencializa a parcela de contribuição individual dos atletas. O artilheiro Jô não levou o Timão ao título sozinho e a maioria dos especialistas entende que a forma de atuar do time ofereceu ao atacante mais uma oportunidade para voltar ao grande nível de outrora. Jô aproveitou e se tornou peça importante na engrenagem. É fácil entender a força do conjunto quando vem à lembrança o caso Romero. O jogador era tratado como chacota e atualmente é um dos mais importantes do elenco.

 Globo Esporte

A função que Romero passou a exercer a partir de determinado período é uma das mais complexas no futebol atual. O paraguaio joga praticamente como um extremo. Ataca pelo lado do campo, ocupa espaço no meio em alguns momentos e é fundamental no acompanhamento do lateral adversário. A aula não termina por aí: o consagrado meia Jadson teve que fazer o mesmo papel de Romero pelo outro lado. Com menos força defensiva, o atleta jogou menos do que a maioria imaginava quando foi contratado. Jadson até poderia ocupar a faixa central, mas Rodriguinho foi o cérebro e não deu brecha para perder a vaga no setor.

  André Rocha UOL Esporte

O craque sempre vai fazer diferença, mas o problema do futebol nacional é que muitos dos envolvidos no esporte pensam que apenas os jogadores acima da média serão capazes de fazer os clubes serem campeões. Pode até ser que aconteça esporadicamente. Entretanto, é perceptível que a montagem de um grupo coeso e sabedor do que deve ser feito em cada partida torna o processo menos complicado. Há equipes mais ricas que o Corinthians hoje, porém a forma como o planejamento é feito não oferece retorno imediato. Contratar muitos jogadores no meio da temporada e trocar treinador a todo momento é prejudicial ao futebol.

 ESPN Brasil Uol

Nem tudo são flores, pois o aprimoramento é necessário. O próprio campeão apresentou dificuldades na construção ofensiva em vários momentos e o Brasil precisa voltar a ter equipes que saibam atacar. O ideal é que surja a junção da tática com a ofensividade. O Grêmio de Renato Gaúcho exemplifica de alguma forma esse jeito de jogar. O Tricolor chegou à final da Libertadores sendo uma equipe organizada e talentosa. Arthur e Luan são peças raras e capazes de fazer um time postado defensivamente ter um brilho criativo e competitivo. Analisando Corinthians e Grêmio, outros clubes brasileiros podem evoluir nas próximas temporadas. O importante é que não haja preguiça nem gastos exacerbados e que os departamentos de futebol saibam planejar uma temporada inteira.

Um abraço!

Por Fabiano Bandeira

Na prancheta

15/11/2017

Por: Igor Serrano

Na prancheta

07/12/16: Após empate por 1 a 1 com o Atlético-MG, na Arena, o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense fazia jus ao apelido “Rei de Copas” ao se tornar pentacampeão da Copa do Brasil. No jogo de ida o tricolor já havia vencido por 3×1 no Mineirão. Era o primeiro título da Arena gremista, inaugurada em 2012, e o fim de um jejum de 15 anos sem um título nacional. E mais: à beira do gramado estava aquele que é apontado como um dos maiores ídolos da história gremista, Renato Gaúcho. Uma conquista tão marcante como esta não podia ficar sem um livro e veio pelas mãos de Andreas Weber. O jovem estudante de jornalismo lança em Porto Alegre, no próximo dia 07/12/17, aniversário de um ano da conquista, “PENTA! A trajetória do Grêmio rumo ao título da Copa do Brasil 2016” do Selo Drible de Letra (Editora Multifoco):

“Após quinze anos sem conquistar um título de expressão, o Grêmio voltou ao topo e foi campeão da Copa do Brasil 2016, alcançando o seu quinto título e se tornando o único clube pentacampeão da competição. A conquista teve uma importância ainda maior levando em conta que foi a primeira da história da Arena do Grêmio, a nova casa do Tricolor, inaugurada no final de 2012.
Foram quinze anos de espera. Quinze anos de lamentações, frustrações e decepções. Muitos torcedores jovens nem sequer haviam visto seu clube do coração conquistar um título. Um clube de futebol vive de títulos. O compromisso com o torcedor é buscar sempre novas glórias, renovando as taças e dando alegrias às várias gerações que chegam.

A torcida do Grêmio sempre foi exemplo de apoio incondicional. É evidente que o período sem grandes títulos não mudaria o fato de que o Grêmio tem a maior e mais apaixonada torcida do Rio Grande do Sul e também da Região Sul do Brasil. Ao longo dos difíceis anos de jejum, impressionou a fidelidade do torcedor gremista. Mesmo bombardeada com péssimos resultados dentro de campo ano após ano, a torcida tricolor em momento algum largou o seu clube. Muito pelo contrário. A cada ano, a impressão que se tinha era de que o desejo de acabar com o jejum de títulos aumentava ainda mais, o que mantinha o apoio e a boa presença de público nas partidas. A torcida sempre soube que ela seria fundamental para que o Grêmio retomasse o caminho de glórias, assim como sempre soube que esse difícil período em algum momento chegaria ao fim. Não se sabia quando, é verdade, já que dentro de campo nada parecia dar certo para o Grêmio.

Uma certeza, no entanto, os gremistas tinham: quando o título finalmente viesse, seria um momento único. Um momento de felicidade indescritível, de uma cidade e de um estado tomados por uma festa com as cores azul, preto e branco. E o momento da redenção enfim chegou. O dia sete de dezembro de 2016 será sempre lembrado na história do Grêmio como o dia em que a torcida se libertou de um pesadelo que parecia não ter fim”.

Contendo 218 páginas, “PENTA! A trajetória do Grêmio rumo ao título da Copa do Brasil 2016” poderá ser encontrado após o lançamento no site da Editora Multifoco por R$ 50,00. Maiores informações sobre o lançamento podem ser encontradas na página do evento: https://www.facebook.com/events/932231140258691/