Entendendo Jefferson como ídolo!

Entendendo Jefferson como ídolo!

A torcida do Botafogo fez uma linda festa no último jogo do goleiro Jefferson como atleta profissional. Entenda os motivos.

Um jogador de futebol é alçado ao posto de ídolo por variáveis abstratas e, por mais que números surjam para embasar ou descontruir a condição alcançada por determinado atleta, é o imaginário do torcedor que define quem é considerado ícone para uma instituição esportiva. Os alvinegros que se despediram de Jefferson na última segunda-feira entendem que o goleiro representou o Botafogo durante muitos anos em um período no qual os grandes jogadores não costumam permanecer nos clubes por muito tempo.

Jefferson chegou ao Glorioso em 2003, se tornou titular em 2004 e foi jogar na Turquia em 2005, quando já se destacava na meta alvinegra. Em 2009, o goleiro retornou ao Botafogo e foi fundamental na permanência da equipe na Série A. Todo botafoguense sabe o que aconteceu, desde então, após o ídolo ter começado a construir de forma definitiva uma linda história na carreira. É importante relembrar os fatos, mas também é salutar entender os motivos que fazem títulos aparentemente comuns se tornarem impactantes e atitudes incomuns se transformarem em algo imensurável.

Em tempos de estaduais esvaziados, o fato de um jogador ter virado ídolo tendo conquistado “apenas” 3 Cariocas parece esquisito. Contudo, quando o torcedor lembra da barriga de Renato, da falta de Pet e da escorada de Maurício, ele entende que há alguns campeonatos especiais. Assim foi o primeiro título de Jefferson no Botafogo. Ao pegar o pênalti de Adriano em 2010, numa competição ainda prestigiada e com o Maracanã lotado, Jefferson somava uma salvação do clube no ano anterior a um título sobre o rival com direito a ter parado um dos melhores atacantes do planeta. O torcedor que sofrera em decisões anteriores contra o Rubro-negro comemorava.

O goleiro foi convocado pela primeira vez ainda em 2010 e eleito algumas vezes como o melhor da posição no Campeonato Brasileiro. Muitos atletas atingem esses objetivos, mas Jefferson recusava propostas e exaltava o Botafogo. Isso mexia com a paixão do aficionado. O Glorioso, assim como o Santos, tem uma ligação histórica com a Seleção Brasileira e ao ver Jefferson defendendo a camisa verde e amarela, o torcedor se sentia representado. O goleiro pegou dois pênaltis com a amarelinha, mas a defesa na cobrança de Messi foi a mais marcante.

Em 2004, quando o Brasil venceu a Argentina nos pênaltis na final da Copa América, muitos flamenguistas, cobertos de razão, brincavam dizendo que Adriano havia empatado, Júlio César defendido pênalti e Juan fechado a série de cobranças. Isso realmente aconteceu e os rubro-negros então diziam que o Flamengo deu o título ao Brasil, pois os 3 craques foram formados na Gávea. Esta é a ligação do torcedor com os ídolos. O jogador representa o clube até quando está na seleção. Ao defender o pênalti de Messi, a cabeçada de Benzema e ao aparecer com a bandeira do clube na comemoração do título das Confederações, Jefferson fortaleceu o vínculo com o botafoguense.

Em 2013, além do título com a Seleção, Jefferson foi campeão estadual em cima do Fluminense. Em 2018 voltou a ganhar no Rio. O adversário foi o Vasco e o craque conseguiu triunfar sobre os 3 grandes rivais do Botafogo. Mas talvez a grande ação tenha acontecido quando o clube foi rebaixado em 2014 e o ídolo, ainda na Seleção, resolveu permanecer no Glorioso. Jefferson recusou propostas, retornou à primeira divisão com o Fogão e escreveu o nome na história definitivamente em 2018 ao ter se tornado o terceiro jogador que mais vestiu a camisa do Botafogo. Foram 459 jogos.

Muitas vezes de forma inconsciente cada torcida define os ídolos dos clubes. Geralmente os nomes guardados nas memórias têm peculiaridades que só os torcedores de determinada instituição conseguem mensurar. Renato fez o gol de barriga e está na história do Fluminense, Petkovic´ jogava muita bola e se tornou ídolo com um golaço de falta numa final de estadual. Quando voltou para ganhar o Brasileiro de 2009, Pet já estava gravado na memória dos rubro-negros. Felipe chegou a ser campeão pelo maior rival, mas é ídolo e maior vencedor da história do Vasco da Gama. Jefferson, além de tudo que foi citado, agarrou muito e somou 11 anos de carreira no Botafogo. Pelos motivos descritos todas as homenagens são justas.

Um abraço!

Por Fabiano Bandeira, O Praça

 

*fotos Vitor Silva / SS Press / BFR

One comment on “Entendendo Jefferson como ídolo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>