Més que un Club

Més que un Club

“Barça: a construção e a trajetória do maior FC Barcelona de todos os tempos”

Na prancheta

A dica de hoje da coluna é o novo lançamento da Editora Grande Área. Escrito pelo escocês Graham Hunter, o livro “Barça: a construção e a trajetória do maior FC Barcelona de todos os tempos” (tradução Rafael Reis e Gabriel R. Gobeth) narra a trajetória de sucesso do clube após a chegada de Pep Guardiola ao comando técnico. Com o futebol de toque de bola da tiki-taka, os lances geniais de Messi, Iniesta e Xavi, Guardiola conquistou nada mais que duas ligas dos campeões, dois mundiais de clubes, duas supercopas da UEFA, três campeonatos espanhóis, três supercopas da Espanha e duas copas do Rei:

O livro ‘Barça: A construção e a trajetória do melhor FC Barcelona de todos os tempos’ já se transformou em um clássico da literatura esportiva moderna. A obra conta a história da espetacular era Pep Guardiola no clube catalão – que entre 2008 e 2012 levou à conquista de inúmeros títulos e redefiniu o conceito de beleza no futebol –, partindo do inesquecível triunfo sobre o Manchester United, em Wembley, na final da Champions League de 2011. Desse ponto em diante, cada capítulo foca uma das grandes personalidades que construíram a equipe, numa narrativa que se desenvolve desde as origens mais remotas desse time inigualável, no final dos anos 1980, até a grande consagração em Londres. Pep Guardiola e seu mentor, Johan Cruyff, assim como Xavi, Iniesta e Lionel Messi, talvez o melhor jogador de futebol da história, tornam-se os protagonistas do relato e nos ajudam a compreender por que, naquele jogo de maio de 2011 em Wembley, o Barça encerrou de vez o debate sobre qual seria a melhor equipe do mundo na época, iniciando então outra discussão: seria aquele o melhor time de futebol de todos os tempos?”.

Contendo 320 páginas, “Barça” está em pré-venda em diversos sites como o da Editora Grande Área e da Livraria da Travessa.

Igor Serrano

Dna Brasileiro

DNA Brasileiro

“Escola Brasileira de Futebol”

Na prancheta

A dica de hoje da coluna é a nova publicação de Paulo Vinícius Coelho. Autor de livros como “Os 100 melhores jogadores brasileiros de todos os tempos”, “Bola fora: a história do êxodo do futebol brasileiro”, “O planeta Neymar”, “Taticamente” e “Os 55 maiores jogos das Copas do Mundo”, PVC busca desvendar, de forma bem fundamentada como de costume, em sua nova obra, os segredos do DNA do futebol brasileiro. Assim surgiu “Escola Brasileira de Futebol” (Editora Objetiva):

O jornalista esportivo mais original de todos os tempos em um livro que destrincha, de forma inédita, o estilo brasileiro de jogar bola. Por que o Brasil forma tantos jogadores? O futebol brasileiro é conhecido e admirado no mundo inteiro, mas, por algum motivo, a escola brasileira de futebol nunca foi registrada em nenhum livro. Paulo Vinícius Coelho, o PVC, analisa os diversos esquemas táticos utilizados por times consagrados, como o Santos de Pelé, o Botafogo de Garrincha e o Corinthians de Tite, e pela vitoriosa seleção brasileira, buscando entender como o futebol brasileiro evoluiu ao longo de décadas. A escola brasileira de futebol é uma mescla de estilos, alimentada por técnicos que fizeram história e que formaram jogadores históricos. O Brasil é, sem dúvida, o país do futebol, e por isso a sua escola precisa ser difundida, tanto pela bola nos pés quanto pelo conhecimento sobre sua teoria.”.

Contendo 294 páginas, “Escola Brasileira de Futebol” está em pré-venda em alguns sites de lojas e livrarias.

Igor Serrano

Noites Europeias

Noites Europeias

120 anos de história

A dica de hoje da coluna é a versão brasileira da obra “Noites europeias (1897-2017): 120 anos de história das competições de clubes da Europa” de autoria de Miguel Lourenço Pereira e João Nuno Coelho. Já lançado em Portugal (2013) e Espanha (2015), o livro aterrissa em solo tupiniquim como o primeiro do selo criado pela Revista Corner:

A versão brasileira de Noites Européias enfoca nos aspectos culturais e econômicos desde sua expansão pelo continente europeu, quando os jogos só podiam acontecer diante da luz do dia. Para entender porquê os jogos passaram a ser jogados à noite, é preciso olhar para um contexto totalmente extra-campo, assim como para compreender o domínio econômico e esportivo do futebol espanhol durante a profunda crise financeira que assolava o país. O embrião de todas as competições européias, a evolução tática do jogo, a mudança das capitais do futebol europeu; tudo isso está presente no trabalho de Miguel Lourenço Pereira e João Nuno Coelho, que começam essa história em Viena, na capital cultural do Império Austro-Húngaro, em 1897, e termina em Cardiff, 120 anos depois.

Tardes que viraram noites após o advento dos refletores. Noites no Anfield Road, Camp Nou, Old Trafford, Santiago Bernabéu e outros templos, que são assistidas e vividas nas tardes brasileiras a cada ano. Este livro não visa entender o futebol europeu a partir das competições de clubes, mas sim compreender a Europa a partir do esporte mais popular do planeta e como este continente passou a dominar o futebol mundial no âmbito de clubes. Leitura obrigatória pra quem ama futebol, política, tática, histórias e História”.

 

Contendo 516 páginas e prefácio de Mauro Beting, “Noites européias” está em pré-venda no site da revista Corner com desconto de 5% e frete grátis. Vale a pena conferir!

Igor Serrano