Na prancheta

Na prancheta

Livro polêmico, “O escândalo do Brasileirão 2013 – Como o Flamengo foi salvo do rebaixamento” foi lançado em 2015 e elaborado pelo tricolor Paulo Ricardo Paúl, cansado de ouvir as acusações de que seu time teria se beneficiado do tapetão para escapar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro de 2013. Paúl reuniu então fatos, reportagens e análises para desconstruir tal argumento, além de demonstrar uma pré-disposição da mídia em abafar o que na verdade estaria por trás da escalação de irregular do atleta da Portuguesa:

Logo no início, nós constatamos um favorecimento ao Flamengo e comunicamos o fato formalmente ao Ministério Público de São Paulo e do Rio de Janeiro, além da Procuradoria da República no Rio, a Polícia Federal e a Confederação Brasileira de Futebol. […]
Nós aguardamos um ano e meio para que os resultados do MP fosse revelados por completo, mas isso não aconteceu. Então, diante desse silêncio, resolvemos publicar um livro sobre a mobilização. Inserimos no livro o que consideramos o favorecimento do Flamengo, o qual a partir da escalação irregular do jogador André Santos, no dia 7 de dezembro de 2013, passou a lutar contra o rebaixamento. […]
Os que interagem no Twitter preferem negar os fatos sem ler o livro, ameaçar processar o autor, além de produzir xingamentos” – declarou o autor em entrevista ao site do JB na época do lançamento (http://www.jb.com.br/esportes/noticias/2015/07/30/livro-lancado-no-rio-suscita-polemica-no-brasileirao-de-2013/)

Contendo 200 páginas, a primeira edição da obra está esgotada. Mas vale a pena dar uma procurada na internet ou em sebos e livrarias da sua cidade por um exemplar perdido.

Os 50 maiores defensores da história do futebol

Na prancheta

A boa dica desse fim de ano é o livro “Os 50 maiores defensores da história do futebol” dos jornalistas Anderson Moura e Tauan Ambrosio e lançado pela Editora Via Escrita, após financiamento coletivo bem sucedido. O projeto de anos dos autores foi finalmente realizado, após quase ser cancelado com a ida de um deles para o Canadá. Com entrevistas, o livro elenca a lista de cinquenta nomes com alguns critérios e traz nomes como Paolo Maldini, Figueroa, Beckenbauer e Carlos Alberto Torres:

O livro “Os 50 maiores defensores da história do futebol”, escrito pelos jornalistas Anderson Moura e Tauan Ambrosio, não contempla necessariamente os 50 melhores jogadores de defesa que já passaram pelo esporte. Primeiramente porque avaliar quesitos técnicos pode vir a ser um trabalho movido pela subjetividade. As memórias seletivas e afetivas fazem com que cada um possa criar sua lista e justificá-la com argumentos pessoais.

Além disso, alguém pode estar entre os maiores sem necessariamente estar entre os mais habilidosos, ou mais disciplinados, ou mais vitoriosos. A grandeza de um jogador pode estar atrelada a sua história de vida. Sua capacidade para enfrentar obstáculos e superá-los, seu profissionalismo, seu entendimento do jogo e por aí vai.
É importante dizer que alguns jogadores fazem parte dessa lista porque participaram de equipes que revolucionaram ou influenciaram no modo como o futebol é visto em todo mundo. Grosso modo, é como dizer que eles estavam no lugar certo e na hora certa, mas sem que isso diminua de alguma forma a participação que eles tiveram nos grandes feitos de suas equipes ou seleções. O catalão Carles Puyol, por exemplo, não foi melhor que Thiago Silva ou tantos outros que ficaram fora do livro, mas tem uma representatividade maior que os excluídos em diversos aspectos.
Igualmente importante ressaltar que a figura humana também teve grande influência na decisão dos escolhidos. Por mais que o jogador de futebol seja jogador muito mais que 90 minutos, ele não o é 24 horas por dia. Há um compromisso em mostrar as facetas que os profissionais não demonstram nos campos ou nas entrevistas coletivas. Saber como eles impactaram as sociedades nas quais viviam e sua importância fora dos estádios“.

Contendo 310 páginas e prefácio de Mauro Beting, “Os 50 maiores defensores da história do futebol” pode ser encontrado no site da Editora Via Escrita.

Tite

Na prancheta

Técnico predileto de onze entre dez brasileiros após resgatar o bom futebol da Seleção Brasileira e classifica-la para Copa da Rússia, Adenor Leonardo Bachi, o Tite, ganhou uma bela biografia no ano passado. Lançado pela Panda Books e escrito pela jornalista Camila Mattoso, “Tite” foi elaborado tendo como base as 84 fontes que a autora entrevistou (além do próprio Tite), revelando, a trajetória profissional de Tite, episódios inéditos dos bastidores do futebol e detalhes de sua vida pessoal. Desde o nascimento em uma colônia do Rio Grande do Sul até o auge como técnico com a conquista da Libertadores, Mundial e Hexacampeonato no Corinthians.

Na obra, Tite admite que foi procurado em duas ocasiões pela CBF para assumir a Seleção em 2015. Na ocasião, recusou o convite e conquistou o Campeonato Brasileiro daquele ano. Também são detalhados episódios de indisciplina de jogadores de seus comandados, como o da chegada do ex-atacante corintiano Jorge Henrique embriagado para um treinamento às vésperas da viagem para o Mundial de Clubes do Japão, a dificuldade em lidar com Adriano e até mesmo o rompimento da amizade com Felipão, que curiosamente foi quem o descobriu como jogador de futebol:
 Não era faz de conta. E eu era muito claro: ‘Se algum dia vocês chegarem aqui mamados, fala com a gente. Uma vez ou outra, é o tipo de coisa que acontece. A gente deixa separado para fazer um treinamento depois’. Fala para mim: ‘Enfi­ei o pé na jaca. Estou puto porque queria jogar e por isso atrasei’. Qualquer coisa que seja.” Não importa, mas tem que ser leal. É uma regra geral que vale para todos.  (…)
Ele era muito franco. Acho que só tive tanta paciência com ele porque era autêntico. Falava tudo na frente. Chegava e dizia: ‘Não tenho condição hoje, não vai dar’. O extracampo dele era realmente muito complicado” – lembra Tite, em trecho sobre a passagem polêmica de Adriano como seu jogador no Corinthians.

Com prefácio de Paulo Vinícius Coelho e contando com 240 páginas, “Tite” pode ser encontrado em diversos sites e livrarias pelo preço médio de R$ 25,00.

 

Por Igor Serrano