Mas pode me chamar de futebol

Mas pode me chamar de futebol

Nova nomenclatura da bola

Bloco baixo, linha alta e extremos. Recomposição e ocupação de espaços. Os termos citados estão em alta no futebol e em época de Copa do Mundo isto fica muito aflorado. Há quem reclame, pois, segundo alguns, a moda é chata e o tradicionalismo deve permanecer.

O futebol não precisa ser um centro de radicalismo. Há espaço para novas e antigas tendências. O jogo evolui, regride, se modifica e o linguajar utilizado também sofre transformações. O esporte é cíclico e até nomes distintos em épocas diferentes podem significar coisas iguais.

Alguns reclamam das novas nomenclaturas, mas utilizam outras que surgiram como substitutas em tempos distantes. Cadê o ponta de lança? Por qual motivo o escanteio não é mais chamado de esquinado? E os ponteiros são os extremos de hoje? A mudança é natural. Contudo, a era da informação com o advento da internet potencializa a fixação de novos nomes.

O momento é de aproveitar a Copa sabendo que marcação alta é próxima à área do time rival, bloco baixo é estratégia de defesa com os jogadores bastante recuados e extremos são atletas que jogam pelo lado do campo, atacando com velocidade e recompondo para fechar o espaço que o lateral adversário pode vir a ter. Certamente há outros exemplos, mas estes são alguns termos utilizados atualmente.

Um abraço!

Por Fabiano Bandeira, O Praça

Torcida de olho vivo

Torcida de olho vivo

Dá pra torcer sem esquecer os problemas

Não é necessário fechar os olhos para o que acontece no Brasil para aproveitar a Copa do Mundo. O cidadão pode torcer pela Seleção e ter consciência do papel social que exerce. A corrupção infelizmente continua em alta, mas não é deixando de acompanhar um torneio de futebol que o indivíduo vai ser eficiente em sua luta contra a política ruim que assola o país.

 Festa-1-Banda-B

Violência, falta de educação e desvio de recursos públicos são alguns dos problemas que o brasileiro conhece. Há inúmeras tentativas em busca de soluções para esses e outros tipos de assuntos que explicitam a falta de cuidado dos governantes com o povo. Os jogadores de futebol, até que provem, nada têm a ver com estas situações.

 Veja

Os brasileiros que gostam de futebol não devem “boicotar” a Copa do Mundo com medo dos políticos se aproveitarem da competição de alguma forma. Muitos já descumprem promessas e passam por cima da população todos os dias sem que haja uma grande competição esportiva para isso.

 Diário de Pernambuco

A Copa começou e a emoção está no ar. A Seleção Brasileira está bem preparada pelo treinador Tite e por toda a comissão técnica. É hora de buscar o título mundial. Vai ser muito melhor votar em outubro tendo a sexta estrela na camisa. Contudo, se a taça não vier, a luta por dias melhores continuará e o fato de termos aproveitado o período da Copa não influenciará negativamente em parte alguma.

esporteuol Um abraço!

A Seleção joga o que treina.

A Seleção joga o que treina.

Brasil faz bem o dever de casa.

No amistoso contra a Croácia, o Brasil repetiu o que vem treinando. Bom sinal!

A Seleção Brasileira continua se preparando para a Copa do Mundo da Rússia. A boa notícia é que no primeiro amistoso visando a competição, o time de Tite demonstrou ter entendido o que o técnico deseja fazer nos jogos.

 Lucas Figueiredo/CBF

O Brasil não foi brilhante contra a Croácia, mas a vitória por 2×0 traz segurança aos atletas. Quem acompanhou os treinamentos, ainda na Granja Comary, pôde perceber que algumas jogadas realizadas no amistoso foram bastante treinadas em Teresópolis.

Neymar desequilibrou e utilizou o talento individual para abrir o placar. Contudo, o gol de Firmino não foi obra do acaso. O lançamento paralelo no início, a bola tocada para trás até chegar ao Casemiro e o lançamento em diagonal até o domínio e finalização de Firmino foram ensaiados na Granja.

 Lucas Figueiredo/CBF

Agora resta jogar bem contra a Áustria no último amistoso de preparação e seguir para a estreia contra a Suíça. Se os jogadores mantiverem o entendimento do que é pedido por Tite e executarem os movimentos com a qualidade que possuem, a taça pode chegar.

 Lucas Figueiredo/CBF

Um abraço!

Por Fabiano, O Praça