Palcos da Copa da Rússia

Palcos da Copa da Rússia

Saransk, a menor cidade do Mundial

A cidade de Saransk, capital da República da Mordovia, vai receber quatro jogos da fase de grupos no Mundial: Peru x Dinamarca, Colômbia x Japão, Irã x Portugal e Panamá x Tunísia. A Arena Mordovia, que passou por reformas desde 2010, poderá abrigar até 44.442 torcedores durante a Copa do Mundo, mas depois será parcialmente desmontada, tendo capacidade reduzida para 25 mil fãs nos jogos do FC Mordovia, clube de pequena expressão, que nos últimos anos conseguiu participar da primeira divisão em duas oportunidades. A Arena está localizada no centro da cidade, à margem do rio Insar, e o uso de cores vivas do estádio é uma referência à paleta de cores usada no artesanato do povo.

Localizada no coração do país, Saransk é considerada uma das cidades mais agradáveis da Rússia. Com uma população de apenas 307 mil habitantes, é a menor das cidades-sedes da Copa. Conhecida pela sua arquitetura que remete à época do Império russo, mesmo tendo a maioria dos seus maiores monumentos construídos recentemente, as cores vivas chamam muito a atenção de quem visita à cidade.

Uma das principais atrações de Saransk foi construída neste século: a catedral ortodoxa em homenagem a Fyodor Ushakov, um ilustre comandante da marinha russa que foi canonizado pela igreja ortodoxa. Durante o crescimento da União Soviética, Saransk teve um grande avanço industrial. Inúmeros trabalhadores migraram para a cidade nas décadas de 50 e 60 em busca de melhores condições de vida.  Atualmente, a população está em diminuindo, já que a maioria dos empregos eram gerados por companhias e industrias que não existem mais. Se você quiser conhecer essa pequena cidade durante a competição, dois voos diários saem de Moscou, mas também há voos vindo de São Petersburgo. O preço das passagens é baixo e podem chegar a custar menos de R$ 150,00.

Por Alexandre Araújo

Palcos da Copa da Rússia

Níjni Novgorod, a antiga cidade fechada

A cidade de Níjni Novgorod, também chamada de “Górki”, em homenagem ao grande escritor russo, será sede da Copa de 2018.   O Níjni Novgorod Stadium foi construído especialmente para o mundial e terá capacidade para 44.899 mil torcedores. Construído próximo à confluência dos rios Volga e Oka, será a casa do Olympiets Nizhny Novgorod após a Copa do Mundo.  O estádio vai receber quatro partidas da fase de grupos (Suécia x Coreia do Sul, Argentina x Croácia Inglaterra x Panamá e Suíça x Costa Rica), uma partida das oitavas e um jogo das quartas. O Estádio Nizhny Novgorod, de acordo com os arquitetos, simboliza as duas forças dominantes da natureza: água e vento. No teto foram instalados painéis translúcidos brancos e em dois tons de azul.

Níjni Novgorod é uma das cidades mais antigas da Rússia e a quinta maior do país. A cidade foi fundada pelo príncipe Yuri Vsevolodovich em 1221 como ponto de apoio à defesa da fronteira oriental. No século XIX, se tornou centro do comércio do país e chegou a ser apelidada de bolsa da Rússia. Durante o regime soviético, de 1932 a 1990, a cidade se chamou Gorky, em homenagem ao escritor, romancista, dramaturgo, contista e ativista político russo Maksim Gorky, que nasceu lá. Durante a Guerra Fria a cidade era dedicada às pesquisas secretas de armas nucleares era fechada a turistas. Assim como muitas outras cidades russas, Níjni Novgorod também possui um Kremlin. A fortaleza começou a ser construída em 1374, e hoje é um dos locais mais visitados na pequena cidade.

Das 11 sedes da Copa, Níjni Novgorod é a mais cara para se estar. De acordo com um levantamento feito pelo comitê de turismo de São Petersburgo, uma noite por lá custa, em média, 3.711 rublos (cerca de R$ 213). A rua Bolshaya Pokrovskaya é a principal para pedestres em Níjni Novgorod. Por lá, os turistas podem admirar a beleza da arquitetura da cidade. O teatro Dramático Acadêmico Estatal Maksim Gorky é o único teatro da Rússia que recebeu, desde 1901, todas as peças de Gorky e algumas encenações de sua prosa. Lá é possível ver peças de teatro, concertos e show.

Se você estiver em Moscou, a viagem durará pouco mais de 1h, já que Níjni Novgorod é a mais próxima da capital entre todas as cidades-sede. As passagens podem sair por pouco mais de R$ 200 até R$ 400, dependendo da época da compra. De trem, partindo da capital, o tempo de viagem é de entre três horas e meia e sete horas.

Por Alexandre Araújo

Palcos do Copa da Rússia

Palcos do Copa da Rússia

Samara, a cidade espacial

A cidade de Samara está situada às margens do rio Volga, o maior de todo o continente europeu. Construída no distrito de Radiotsentr no início em 2014, a Arena Cosmos possui inspirações espaciais, em homenagem ao setor aeroespacial da cidade. O estádio tem capacidade para 44.807 espectadores e irá receber seis partidas do Mundial de 2018: Costa Rica x Sérvia,  Dinamarca x Austrália, Uruguai x Rússia, Senegal  x Colômbia, além de uma partida válida pelas oitavas de final  e a outras pelas quartas. Após a competição, o estádio vai receber os jogos do Krylya Sovetov.

Fundada em 1586 como uma fortaleza de vigilância, está localizada em uma região administrativa que leva o mesmo nome, perto da fronteira da Rússia com Cazaquistão. A cidade fica a mais de 1000 quilômetros de Moscou, entre os rios Volga e Samara. Durante a II guerra Mundial, Samara foi rebatizada de Kuibyshev e funcionou como uma segunda capital da União Soviética. Foi aqui que ficaram escondidos membros do governo russo e delegações diplomáticas de países estrangeiros quando Moscou sofreu uma ameaça nazista. Samara não possui muitas atrações turísticas, mas uma boa dica é fazer um passeio pelo rio Volga ou visitar um dos bunkers secretos de Josef Stalin. Construído para proteger o ditador russo, o bunker  possui 37 metros de profundidade e guarda lembranças sombrias de um período histórico da União Soviética.

A cidade é berço da engenharia russa e abriga Universidade Estadual Aeroespacial de Samara, que ajudou a impulsionar o programa espacial russo. Lá foi construído o foguete que levou Yuri Gagarin, o primeiro homem a viajar pro espaço. No Museu da História Espacial, o visitante encontra réplicas de naves, roupas espaciais e  motores.

Como não há voos diretos do Brasil para a Rússia, o melhor jeito de chegar é pegar uma conexão pela Europa até Moscou. De lá, você pode seguir para Samara de avião ou de trem, em uma viagem de 17 horas. A principal porta de entrada é o Aeroporto Internacional de Kurumoch, uma cidade vizinha localizada a 42 km de Samara.

 

Por Alexandre Araújo