O futebol do Rio precisa renascer

O futebol do Rio precisa renascer

Os rivais do Flamengo precisam urgentemente arrumar as contas

 Alexandre Vidal/Flamengo

A supremacia financeira do Flamengo frente aos adversários do Rio pode acabar se voltando contra o próprio rubro-negro. Até agora, a superioridade não ficou demonstrada em campo. O time levou gol nas 3 partidas do estadual. Tem uma deficiência nas laterais e o meio-campo marca meio frouxo. O fraco time do Botafogo poderia ter vencido o clássico de sábado.

Mas esse texto não será uma análise tática do jogo. Abel é um técnico experiente que pode deixar o time competitivo. Não será da forma que eu acho melhor, provavelmente, mas ele é o profissional responsável por armar a equipe, então a bola está com ele.

Vamos voltar ao que motivou este texto. O perigo para o Flamengo é a perda de força política do futebol carioca no panorama brasileiro. Há problemas que a olho nu o torcedor mais fanático vai deixar passar. Por exemplo, as negociações na hora de fazer a tabela para disputa do campeonato brasileiro. Em 2018, o Vasco pegou uma tabela ingrata, teve jogos contra times de São Paulo seguidamente no fim dos turnos. Precisando de resultados para se garantir na primeira divisão, acabou uma posição acima da zona de rebaixamento.

Os quatro times de São Paulo são relevantes no cenário nacional. O comando da CBF nas mãos de cartolas paulistas também fortalece essa posição dos clubes do estado mais rico da federação. Não é interessante para o Flamengo ficar sozinho nessas negociações.

Um exemplo do que essa desunião pode acarretar foi dado no sábado. O Botafogo quis levar o jogo com o Flamengo para fora do Rio e garantir uma grana para desafogar as contas precárias. O Flamengo, que estava no seu direito, não aceitou. Resultado, o Botafogo colocou os ingressos a preços estratosféricos. Na estreia do Flamengo contra o Bangu o público pagante foi de 43 mil. No sábado, um clássico, com a estreia de Bruno Henrique, 5 mil pessoas pagaram ingresso. Se o Flamengo tivesse cedido, os combalidos cofres alvinegros teriam algum refresco.

Continuo achando que como elenco não há comparações entre o Flamengo e outros rivais, mas se formos colocar apenas os 11 titulares, O Vasco tem condições de montar um time competitivo para enfrentar o primo rico.

Apesar da propalada engenharia financeira, o Flamengo precisa urgentemente resolver seu problema domiciliar. O Maracanã já deu. O clube tem que negociar com a faca entre os dentes. Ficar com um percentual pequeno da renda é um absurdo. Ou muda a relação de parceria ou parte para a “casa própria”.

Arruma um parceiro, constrói o novo estádio e dá um passa-fora no consórcio vampiresco. Os quatro grandes de São Paulo têm estádio. Isso faz toda a diferença. É o que falta para que o Flamengo não tenha nada a perder em relação aos grandes clubes do Brasil.

Mas há algo que o Flamengo não pode esquecer. Se o futebol do Rio estiver mais fraco, o próprio Flamengo vai ficar mais fragilizado nos bastidores políticos do mundo da bola.

Por Creso Soares

2 comments on “O futebol do Rio precisa renascer

  • Genial Creso, é isso mesmo: Flamengo tem que construir um estádio e os outros do RJ tem que sanear as finanças, senão o futebol carioca vai passar aperto.
    Gostei da análise do time também: concordo que o Abel deve dar jeito, mas pode ser com uma retranca que não condiz com o estilo do Flamengo… a ver !
    Abraço
    Carlos Duarte (Clinimex)

  • Carlos Duarte says:

    Genial Creso, é isso mesmo: Flamengo tem que construir um estádio e os outros do RJ tem que sanear as finanças, senão o futebol carioca vai passar aperto.
    Gostei da análise do time também: concordo que o Abel deve dar jeito, mas pode ser com uma retranca que não condiz com o estilo do Flamengo… a ver !
    Abraço
    Carlos Duarte (Clinimex)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>